Maioria da Câmara rejeita proposta de idades mínimas do governo

Pesquisa do instituto Paraná indica que apenas 35,6% dos deputados acham adequado propôr 65 anos para homens e 62 para mulheres

Hugo Barreto/Metrópoles

atualizado 19/02/2019 19:37

O governo de Jair Bolsonaro (PSL) bateu o martelo sobre a idade mínima para aposentadoria que estará no projeto de reforma da Previdência a ser enviado à Câmara dos deputados: 65 anos para homens e 62 para mulheres. A proposta, no entanto, deverá enfrentar resistência por parte da maioria dos parlamentares, segundo aponta levantamento do instituto Paraná Pesquisas, divulgado nesta terça-feira (19/2): apenas 35,6% dos deputados federais entrevistados acham adequadas as idades mínimas definidas pelo governo.

A margem para convencimento é considerável. Entre os parlamentares, 17,8% são favoráveis a 57 anos para mulheres e 62 para homens. Por outro lado, 30,1% acreditam que não deve haver idade mínima para a aposentadoria. Ou seja: 47,9% dos deputados colocam-se, por ora, refratários a esse texto. Não sabem ou não opinaram somam 16,5%.

Quando questionados se homens e mulheres deveriam ter a idade mínima de 65 anos para se aposentar, os deputados se posicionaram majoritariamente contrários à ideia: 71,4%. A essa probabilidade, apenas 21,2% disseram sim.

A mesma pesquisa demonstra, para a felicidade do governo, que esse é o momento oportuno para se discutir ajustes no sistema previdenciário. Perguntados se, levando em consideração o contexto político e econômico que o Brasil enfrenta, esse é o melhor momento para levar adiante a reforma da Previdência, a maioria (73%) disse que sim.

Metodologia
O levantamento entrevistou 233 parlamentares, conforme a distribuição das cadeiras por partido na Câmara dos Deputados e por regiões Brasileiras. O trabalho foi feito através de entrevistas pessoais ou telefônicas entre os dias 11 e 14 de fevereiro de 2019.

Últimas notícias