Maguito Vilela testa negativo para Covid-19 após 40 dias de internação

No entanto, o prefeito eleito de Goiânia (GO) segue internado para tratar infecção pulmonar causada pelo novo coronavírus

atualizado 02/12/2020 9:45

Hospital retira entubação de Maguito VilelaReprodução/Instagram

O prefeito eleito de Goiânia (GO), Maguito Vilela (MDB), testou negativo para Covid-19. A informação é da equipe do emedebista e foi compartilhada nas redes sociais do político nessa terça-feira (1º/12).

Em 20 de outubro, Maguito foi diagnosticado com coronavírus. Dois dias depois, ele já estava internado em um hospital de Goiânia. E desde 27 de outubro ele está aos cuidados do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Apesar de ter testado negativo para Covid-19, o prefeito ainda trata inflamação pulmonar causada pela doença. Maguito segue internado, fazendo uso de traqueostomia e recebendo ventilação mecânica para auxiliar na respiração.

0

O boletim médico também informa que Maguito recebe suporte mínimo de Oxigenação por Membrana Extracorpórea (ECMO), máquina que faz a circulação e a oxigenação artificial do sangue.

Mesmo internado, Vilela foi eleito prefeito de Goiânia, em segundo turno, que ocorreu no último domingo (29/11). O candidato teve maior parte dos votos válidos, 52,6%, e superou Vanderlan Cardoso (PSD), que recebeu 47,4%. Nas redes sociais, a equipe do emedebista pediu orações para a “restauração da saúde” do político.

Covid-19

Vilela testou positivo para a Covid-19 no último 20 de outubro. Dois dias depois, foi internado em um hospital de Goiânia. Em 27 de outubro, ele recebeu diagnóstico de até 75% de inflamação nos pulmões e um alerta para nível crítico de saturação de oxigênio no sangue, o que o levou a buscar tratamento no Einstein, em São Paulo.

Três dias depois, Vilela foi intubado, pela primeira vez, após apresentar quadro de insuficiência respiratória. Em 8 de novembro, voltou a respirar sem o equipamento.

Contudo, no último domingo, Vilela voltou a apresentar piora e precisou ser intubado novamente por piora pulmonar — inflamatória e infecciosa —, seguindo em ventilação mecânica invasiva. Dois dias depois, iniciou um tratamento respiratório com a ECMO, e agora faz uso mínimo da máquina.

Últimas notícias