Mãe precisa assinar termo de responsabilidade para vacinar filha no RJ

Moradora de Itaguaí teve que assinar termo de responsabilidade relacionado à aplicação da vacina contra Covid em sua filha de 7 anos

atualizado 25/01/2022 14:52

Vacinação infantil em ItaguaíReprodução/ TV Globo

Rio de Janeiro – Moradora de Itaguaí, município da Região Metropolitana do Rio, Regina Célia Matos Ferreira se surpreendeu com uma exigência feita no momento em que levou sua filha Sofia, de 7 anos, para vacinar. Ela foi obrigada a assinar um termo de responsabilidade relacionado à aplicação do imunizante em crianças de 5 a 11 anos.

O caso, revelado pela TV Globo, será investigado pelo Ministério Público do Rio. Esse tipo de exigência, considerada  irregular, já foi constatada também na cidade de Nilópolis.

0

“Vacinei minha filha semana passada. Contrariada, assinei o bendito termo. Depois fui levada para uma sala com mais três pais com seus filhos, onde, a portas fechadas, a agente de saúde leu trocentas reações adversas que poderiam acontecer”,  disse a mãe, em entrevista a Globo.

“Foi horrível, um terrorismo. Minha filha tomou a vacina e não teve reação nenhuma. Está linda e feliz por ter tomado a vacina”, acrescentou a mãe.

O termo autorizando a vacinação de crianças entre 5 e 11 anos está previsto pelo Ministério apenas quando pais e mães não estão presentes.

Em Nilópolis, a exigência do termo está nas regras para a vacinação, publicadas nas redes sociais da prefeitura da cidade. “Além da presença do responsável, é necessário CPF da criança ou cartão do SUS, comprovante de residência do responsável e autorização do responsável feita na hora”, diz o post.

Mais lidas
Últimas notícias