*
 

Circula nas redes sociais uma imagem com uma frase atribuída ao senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) a respeito de um crime ocorrido em setembro na favela Chapéu Mangueira, Zona Sul do Rio de Janeiro. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que essas informações fossem analisadas. Confira a seguir o trabalho de verificação feito pela Lupa:

“Um elemento negro, andando perto de uma favela, com um guarda-chuva na mão. Queria o quê? Correu o risco. A culpa não é da polícia”
Frase atribuída ao deputado estadual e senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ) em imagens (aqui e aqui) que já tinham mais de 1,5 mil compartilhamentos às 14h de 5 de novembro de 2018

De acordo com a imagem analisada pela Lupa, a frase teria sido dita por Flávio Bolsonaro após a morte de Rodrigo Alexandre da Silva Serrano, no dia 17 de setembro. De acordo com as testemunhas, Rodrigo foi alvo de três tiros dados por policiais militares que teriam confundido seu guarda-chuva com um fuzil. A PM, no entanto, nega. Afirma que uma patrulha da corporação foi atacada por criminosos e que, durante o confronto, Rodrigo foi atingido.

Uma busca nos perfis oficiais de Flávio Bolsonaro no Facebook e no Twitter revela que não há nenhum comentário público dele sobre a morte de Rodrigo. Na imagem que viralizou, também não há nenhuma informação sobre a data ou o local em que o político teria dito essa frase. Além disso, não há nenhuma entrevista em que o filho do presidente eleito Jair Bolsonaro tenha falado sobre esse tema.

A assessoria de Flavio Bolsonaro foi procurada pela Lupa e negou a declaração. Destacou que Flávio “nunca” fez qualquer comentário sobre o episódio.

O site Boatos.org também fez verificação semelhante e constatou que o único lugar em que a referida frase é atribuída ao senador eleito do PSL é o ‘meme’ que viralizou e que reaparece na imagem analisada pela Lupa.

*Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Reportagem: Leandro Resende  Edição: Cristina Tardáguila