MPF rejeita indicação de Bolsonaro para comissão sobre ditadura

De acordo com os conselheiros, não cabe ao Executivo escolher membros do Ministério Público Federal para compor o grupo

atualizado 06/08/2019 17:38

MPFAntonio Augusto / Secom / PGR

O Conselho Superior do Ministério Público Federal (MPF) rejeitou nesta terça-feira (06/08/2019) a indicação do procurador Ailton Benedito para integrar a Comissão Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Com seis votos favoráveis e quatro contrários, os conselheiros entenderam que não cabe ao Executivo federal escolher membros do MPF para compor o grupo.

O governo federal mandou por meio da Secretaria de Proteção Global do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos para a chefia do MPF em Brasília o pedido de indicação de Ailton Benedito para o lugar do procurador Ivan Marx, que ocupa o posto atualmente. Contudo, os conselheiros chegaram à conclusão de que o cargo não está vago.

Mesmo que a nomeação seja atribuição do presidente da República, a indicação precisa ser aprovada pelo Conselho Superior do MPF.

Entusiasta do regime militar
Benedito havia sido escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para compor o colegiado. De perfil conservador, o procurador se mostra um entusiasta do regime militar em suas redes sociais. Em 31 de março deste ano, ele comemorou a data do golpe de 1964.

Últimas notícias