MPF cobra de Bolsonaro provas sobre fraudes nas eleições de 2018

Ministério Público defendeu medida ao se pronunciar sobre ação movida pela Associação Livres contra o presidente da República

atualizado 28/04/2021 13:20

BJair Bolsonaro Presidente - Plano de vacinacao contra covid no brasil _ cerimonia no planaltoRafaela Felicciano/Metrópoles

Em parecer encaminhado ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), o Ministério Público Federal (MPF) defendeu que o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), apresente as provas de supostas fraudes que alegou ter ocorrido nas eleições presidenciais de 2018.

“Como agente político da maior envergadura, o presidente não pode guardar para si informação tão relevante a ponto de demonstrar fraude havida nas eleições presidenciais de 2018. Tem ele o dever inafastável de oferecer as provas que diz poder apresentar”, assinalou o procurador regional Walter Claudius Rothenburg.

O parecer foi encaminhado ao TRF-3, nessa terça-feira (27/4) ,no âmbito de uma ação movida pela Associação Livres contra Jair Bolsonaro.

2021.5001005 (ACP Fraude Eleições Presidente) by Tacio Lorran Silva on Scribd

Em março de 2020, durante evento em Miami, nos Estados Unidos, Bolsonaro alegou que, “pelas provas que tenho em minhas mãos, que vou mostrar brevemente, eu fui eleito no primeiro turno, mas, no meu entender, teve fraude”.

“E nós temos não apenas palavra, temos comprovado. Brevemente quero mostrar, porque precisamos aprovar no Brasil um sistema seguro de apuração de votos. Caso contrário, passível de manipulação e de fraudes. Então, acredito até que eu tive muito mais votos no segundo turno do que se poderia esperar, e ficaria bastante complicado uma fraude naquele momento”, afirmou o presidente da República.

Já em entrevista ao programa “Os Pingos nos Is”, da rádio Jovem Pan, em janeiro deste ano, Jair Bolsonaro disse ter recebido uma pessoa que, segundo ele, mostrou, “numa tela do computador, a apuração minuto a minuto que vinha ocorrendo no TSE. Coisas que vocês não têm aí. Nós acabamos tendo aqui”.

0

Últimas notícias