Janot pede licença à OAB-DF e deixa de advogar

De acordo com o ex-PGR, a medida pretende "evitar constrangimentos" à entidade. Atitude foi tomada após declarações envolvendo Gilmar Mendes

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 09/10/2019 15:53

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot enviou um comunicado à Ordem dos Advogados do Brasil do Distrito Federal (OAB-DF), pedindo licença. Segundo o ex-PGR, a medida tem como objetivo “evitar constrangimentos”.

A decisão de Janot veio à tona após o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), e o senador Renan Calheiros (MDB), protocolarem ações contra ele. Agora, o ex-PGR deixa de advogar.

O pedido de licença vai até 5 de novembro, quando Janot irá prestar esclarecimentos ao órgão sobre as manifestações envolvendo o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF). A iniciativa do ex-PGR visa “proteger” a entidade pela repercussão das declarações.

A OAB já estudava suspender a carteira dele por pelo menos seis meses, depois que ele revelou ter tido a intenção de assassinar o ministro Gilmar Mendes.

Na tarde desta quarta-feira (09/10/2019), a OAB-DF divulgou nota oficial. Veja a íntegra:

“A OAB/DF informa que à Comissão de Seleção compete analisar o pedido de licenciamento da atividade de advogado protocolado nesta quarta-feira (9/10), na sede da Seccional, pelo ex-Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot.

A Seccional esclarece que o Tribunal de Ética e Disciplina decidirá se o licenciamento influenciará nos pedidos de afastamento provisório e nos processos éticos instaurados na última quinta-feira (3/10), os quais serão apreciados conforme previsto nos regramentos internos, ressaltando-se que o órgão disciplinar é inteiramente independente em suas decisões. Por se tratar de processo sigiloso, a OAB/DF não vai se pronunciar sobre o caso.”

Últimas notícias