metropoles.com

Fachin decide submeter recurso de Lula ao plenário do STF

Caberá à presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, definir a data do julgamento

atualizado

Compartilhar notícia

Ricardo Stuckert/Divulgação
lula_atofinal-800×491
1 de 1 lula_atofinal-800×491 - Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin decidiu, nessa segunda-feira (25/6), submeter ao plenário da Corte recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que o pedido de liberdade do petista seja analisado pelo tribunal. Lula está preso na sede da Polícia Federal (PF), em Curitiba (PR), desde 7 de abril.

A defesa de Lula pediu a Fachin “imediata reconsideração” da decisão do próprio ministro para análise da solicitação de liberdade do ex-presidente pela 2ª Turma do STF nesta terça-feira (26). O magistrado decidiu na sexta-feira (22) arquivar o pedido, após o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) negar recurso do petista ao Supremo contra os efeitos da condenação.

Caso o ministro não reconsiderasse a decisão anterior, os advogados do ex-presidente pediriam que o novo recurso apresentado pela defesa nessa segunda (25) fosse submetido à 2ª Turma do STF. Fachin atendeu apenas essa segunda solicitação, mas decidiu submeter o recurso de Lula à apreciação do plenário do Supremo.

“Diante do exposto, mantenho a decisão agravada e submeto o julgamento do presente agravo regimental à deliberação do plenário, sem prejuízo de propiciar prévia manifestação da Procuradoria-Geral da República (PGR), observando-se, para tanto, o prazo regimental”, decidiu Edson Fachin.

Agora, caberá à presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, definir a data do julgamento. Integrantes do STF cogitam a possibilidade de Lula ir para prisão domiciliar, mas sem alterar os efeitos da condenação, como a inelegibilidade.

Fachin havia entendido que o pedido de Lula estava prejudicado porque o TRF-4 negou, também na sexta-feira (22), a possibilidade de Lula recorrer ao Supremo contra a condenação no caso do triplex no Guarujá (SP), processo pelo qual cumpre pena de 12 anos e 1 mês por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

De acordo com a petição apresentada nessa segunda-feira (25) ao STF, o fato de a defesa ter recorrido contra a decisão do TRF-4 configura-se como fato novo e, por isso, Fachin deve reconsiderar a situação.

“No entanto, a negativa de seguimento pela Corte Regional já foi devidamente impugnada em agravo interposto nesta data. Conforme diversos precedentes da Suprema Corte, é possível a atribuição de efeito suspensivo a recurso extraordinário nessa situação, pois o exame final da sua admissibilidade caberá também ao STF, como adiante demonstrado”, dizem os advogados.

Recursos
A defesa do petista havia ajuizado os recursos especial e extraordinário no TRF-4 em 23 de abril. Cabe ao tribunal uma análise prévia dos pedidos, para decidir se eles “subiriam” ou não para julgamento nos tribunais superiores. Diferente do recurso ao STF, o pedido ao STJ foi admitido.

Enquanto ainda esperava a decisão do TRF-4, os advogados do ex-presidente entraram com petições nos tribunais superiores, para que eles suspendessem os efeitos da condenação de Lula até que os recursos pudessem efetivamente ser julgados pelas Cortes.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações