*
 

Dois anos depois de deixar a prisão em Curitiba e cinco dias antes de ver 38 imóveis leiloados pela Justiça, Nelma Kodama diz achar a venda dos apartamentos “injusta”, mas não guarda ressentimentos da Operação Lava Jato. Uma das primeiras presas na operação, a ex-doleira deseja ainda “boa sorte” ao ex-juiz federal Sérgio Moro, que a condenou a 18 anos de prisão, no Ministério da Justiça e traz ainda sugestões de nomes de Curitiba para ele compor sua equipe na Esplanada. Delegado Márcio Anselmo, responsável pela sua prisão, é um deles.

“Desejo a ele boa sorte, que consiga, de fato, prender os corruptos que saquearam os cofres públicos”, afirmou, lembrando que política é “muito complicado” e diferente da magistratura.

Nelma classifica como “extremamente competentes” Erika Marena, indicada para coordenar o Departamento de Recuperação de Ativos e Coorperação Jurídica Internacional, e Luciano Flores, que assume o comando da PF no Paraná. De quebra, apresenta suas sugestões.

“Acho que ele (Moro) deveria convocar o Márcio Anselmo, que tem uma expertise muito grande, principalmente em crime financeiro e é uma pessoa que admiro muito. Fica a sugestão.” Anselmo foi delegado da PF responsável por iniciar as investigações da Lava Jato e pela prisão de Nelma. Outra “sugestão” é Newton Ishii, o “japonês da Federal”, que aposentou neste ano. “Ele é magnífico”.

Conhecida pelo episódio em que cantou “Amada amante”, de Roberto Carlos, na CPI da Petrobrás, quando questionada sobre seu relacionamento com o doleiro Alberto Yousseff, ela ficou presa de março de 2014 a junho de 2016, quando fechou acordo de delação premiada com os procuradores da Lava Jato.

Imóveis de ex-doleira vão a leilão; defesa vai recorrer
Os hóspedes de um hotel em Jaguaré, na Zona Sul de São Paulo, devem não saber, mas podem estar em um quarto de propriedade de uma das primeiras presas da Lava Jato, Nelma Kodama. A Justiça determinou o leilão na próxima segunda-feira, das 38 unidades que pertencem à ex-doleira, condenada por lavagem de dinheiro, organização criminosa, evasão de divisas e corrupção ativa.

O valor de cada quarto é de R$ 152 mil – bem menor que os 200 mil euros (mais de R$ 850 mil em valores atualizados) que Nelma levava na calcinha quando foi presa pela Polícia Federal, no aeroporto de Guarulhos, tentando deixar o País, em 2014.

“No meu coração, acho que é injustiça”, lamenta Nelma a respeito do leilão dos apartamentos. “Eu queria as unidades para a minha sobrevivência, para ter uma renda. No final da minha vida, eu doo”, afirmou. Hoje ela cumpre pena em regime semi-aberto diferenciado, em que usa tornozeleira eletrônica.

“Ninguém assaltou, como, por exemplo, ex-governadores do Rio de Janeiro fizeram com a saúde pública. Não acumulei R$ 100 milhiões, R$ 200 milhões tirando dinheiro de merenda, segurança pública. Todos os dias eu levantava e ia trabalhar”. A renda de Nelma vem hoje de sua empresa, em que atua como “personal advisor”, e faz consultoria de finanças pessoais e empresariais, gestão de carreira e consultoria de imagem.

Os advogados da ex-doleira chegaram a recorrer da venda dos imóveis no Supremo Tribunal Federal (STF), mas o pedido foi negado pelo ministro Edson Fachin. Até o fim da semana, pretendem entrar com um novo recurso na Corte.

A defesa pede que passem a valer os termos da primeira delação de Nelma, fechada com a Polícia Federal – em que ela poderia ficar com os apartamentos do prédio no Jaguaré e com o apartamento em que vive. Por causa do imbróglio entre PF e Ministério Público, a doleira fez um segundo acordo, em que os imóveis seriam leiloados, mas posteriormente, o Supremo decidiu que a PF também poderia fechar acordos de colaboração.

O valor inicial dos apartamentos, cobrado na primeira etapa do leilão, ontem, era de R$ 190 mil. Mas como apenas uma unidade foi vendida – para um morador de Brasília -, os outros podem ser arrematados por R$ 152 mil no site do leiloeiro, na próxima segunda-feira. As unidades do apartamento tampouco serão suas primeiras: em 2015, um Porsche branco de Nelma foi a leilão, pelo valor de R$ 200 mil.