Jovem estuprada em UTI morreu de embolia pulmonar, diz laudo do IML

Perícia agora vai apurar a causa dos problemas respiratórios de Susy Nogueira, 21 anos, abusada sexualmente por um técnico em enfermagem

Divulgação/ Polícia CivilDivulgação/ Polícia Civil

atualizado 24/07/2019 16:23

A estudante Susy Nogueira, 21 anos, estuprada em uma unidade de terapia intensiva (UTI) de Goiânia, morreu de embolia pulmonar, segundo relatório do Instituto Médico Legal (IML) da cidade divulgado nesta quarta-feira (24/07/2019). A perícia ainda vai apurar a causa dos problemas respiratórios, segundo informações do G1.

“Entramos na segunda etapa da investigação. Vamos analisar vídeos e prontuários para ver se as condutas foram adequadas dentro das normas técnicas. Se não estiverem, vamos analisar e ver se as condutas concorreram para a morte dela”, explicou ao portal o médico-legista Marcellus Arantes, gerente do IML de Goiânia.

O advogado da família de Susy, Darlan Alves Ferreira, afirmou que o legista contratado pela família para fazer o laudo apontou um erro médico que causou a embolia. Ele ainda espera a análise do IML.

“A embolia foi causada porque o médico perfurou a traqueia dela, houve sangramento, o sangue foi para o pulmão e houve a embolia”, disse o legista.

Marcellus explicou que as vísceras da jovem foram enviadas para o Instituto Médico separadas do corpo e, por isso, após constatar a embolia, a equipe precisou fazer uma nova checagem antes de divulgar o laudo. “Fizemos averiguações das vísceras enviadas para comparar se elas realmente pertenciam à Susy”, explicou.

Ainda segundo Marcellus, a nova análise deve durar 45 dias: “São horas de vídeos, montanhas de papel e apenas uma médica vai analisar, porque ela tem conhecimento do caso”.

Entenda
Susy foi internada em 17 de maio e morreu nove dias depois. A família foi avisada pela polícia sobre o abuso durante o velório. A corporação conseguiu imagens de segurança que mostram o momento em que ela é apalpada por um técnico em enfermagem identificado como Ildison Custódio Bastos, de 41.

Indiciado e denunciado pelo estupro, o técnico em enfermagem se entregou à Polícia Civil e segue preso. Ele já responde a processo na Justiça e nega ter cometido o crime.

Divulgação/ Polícia Civil
Ildison Custódio Bastos, de 41 anos

Últimas notícias