Jovem escalpelada em kart: “Fiquei abismada em ter que pôr preço”

Grupo Big informou em nota que a jovem apresentou "uma lista de pleitos" com curso em Harvard e US$ 10 milhões

Reprodução/TVGloboReprodução/TVGlobo

atualizado 18/01/2020 20:29

A jovem Débora Dantas, de 19 anos, que teve o couro cabeludo arrancado enquanto andava de kart em Recife (PE), se disse “abismada” com  “em ter que pôr valor” na saúde.

As declarações foram dadas nesta sexta-feira (17/01/2020), em uma entrevista coletiva. O grupo Big, responsável pelo estabelecimento, informou em nota que a jovem apresentou “uma lista de pleitos que não guardam nenhuma relação com o acidente ou com a sua saúde”.

Entre os supostos pedidos que teriam sido feitos, estão “o financiamento de curso preparatório de sua escolha em qualquer lugar do mundo; financiamento do curso da Universidade de Medicina de Harvard; custeio de plano de saúde internacional; casa em Longwood, nos EUA; e pagamento do valor de US$ 10 milhões”.

Débora reclamou. “Para se ter uma ideia, hoje eu tenho pontos que estão saindo da minha cabeça. E esse tratamento ainda vai levar anos da minha vida. Não é coisa que vai se resolver de um dia para o outro. O que mais me deixou abismada foi o desrespeito. É como se as nossas vidas fossem menos importantes que as deles”, frisou.

A jovem disse que fez a lista após uma conversa informal com uma representante de Recursos Humanos da rede de supermercados, depois que a mulher solicitou.

“Foi como um amigo que te diz, numa mesa, ‘diz o que tu quer para retomar tua vida’. E eu, que não tinha advogado, nenhum acompanhamento, fiz uma lista. Ela disse para eu botar num papel e eu fiz”, detalhou.

O supermercado alega que a lista de desejos teria sido exposta logo após o final da primeira etapa da terapia, em outubro de 2019, pelo antigo advogado responsável pelo caso.

Débora disse que está no início do tratamento e que a fase tem como foco a reparação. Durante esse processo, ela teria recebido a informação de que a rede não iria mais arcar com os custos do tratamento.

O Grupo Big se posicionou ainda afirmando que não se negou nem se negará a custear os procedimentos necessários para a recuperação de Débora. Por fim, o Big informa que “segue aguardando a definição de Débora a respeito da continuidade do seu tratamento em Ribeirão Preto”.

Últimas notícias