metropoles.com

IPCA-15: puxada pela gasolina, prévia da inflação é a menor desde 1991

A redução nos preços da energia elétrica e dos combustíveis – principalmente gasolina e etanol – influenciou o indicador apresentado

atualizado

Compartilhar notícia

Michael Melo/Metrópoles
O crescimento da economia foi negativo nos últimos dois trimestres
1 de 1 O crescimento da economia foi negativo nos últimos dois trimestres - Foto: Michael Melo/Metrópoles

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial, registrou queda de 0,73% em agosto. Trata-se da menor taxa desde o início da série histórica, iniciada em novembro de 1991.

O indicador foi influenciado pela queda nos preços da energia elétrica e dos combustíveis – principalmente gasolina e etanol.

Apesar da redução recorde, no entanto, os preços de alimentação e bebidas (1,12%) e saúde e cuidados pessoais (0,81%) continuaram subindo.

No ano, o IPCA-15 acumula alta de 5,02% e, em 12 meses, de 9,60%, abaixo dos 11,39% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Em julho, o índice registrou crescimento de 0,13%. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (24/8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

0

Grupos e seus impactos

Houve variações negativas em três dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados.

A queda da gasolina (-16,80%) influenciou o resultado do grupo dos transportes, que teve a maior variação negativa (-5,24%) e o maior impacto negativo.

Já a maior variação positiva veio de alimentação e bebidas (1,12%), influenciada principalmente pelo aumento nos preços do leite longa vida (14,21%), maior impacto individual positivo no índice do mês.

Segundo o IBGE, a queda nos preços dos combustíveis (-15,33%) foi causada não só pela gasolina, mas também pelo etanol (-10,78%), gás veicular (-5,40%) e óleo diesel (-0,56%).

Dentro do grupo relacionado a transportes, outro subitem com intensa variação negativa foram as passagens aéreas (-12,22%), cujos preços subiam há quatro meses consecutivos. No lado das altas, os veículos próprios (0,83%) continuaram subindo, o que inclui motocicletas (0,61%), e automóveis novos (0,30%) e usados (0,17%).

Já a variação negativa no grupo habitação (-0,37%) está relacionada ao recuo nos preços da energia elétrica residencial (-3,29%), devido à redução em vários estados da alíquota de ICMS cobrada sobre esse serviço.

Além disso, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou revisões tarifárias extraordinárias de diversas distribuidoras que operam em áreas de abrangência do índice, reduzindo as tarifas a partir de 13 de julho.

“As áreas registraram variações que foram desde -16,18% em Recife – onde o ICMS foi reduzido de 25% para 18% e houve retirada da incidência sobre os serviços de transmissão e distribuição – até 2,96% em São Paulo, onde foi aplicado um reajuste de 10,43% nas tarifas de uma das concessionárias pesquisadas, em vigor desde 4 de julho”, explica o instituto.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações