metropoles.com

Inflação chega a 0,95% em novembro e bate 10,74% nos últimos 12 meses

IPCA teve a maior alta para um mês de novembro desde 2015. Aumento foi puxado pelo preço dos combustíveis: gasolina se tornou a vilã

atualizado

Compartilhar notícia

Marcos Santos/USP Imagens
Imagem colorida de calculadora e uma caneta sobre uma folha que exibe um gráfico com indicadores econômicos - Metrópoles
1 de 1 Imagem colorida de calculadora e uma caneta sobre uma folha que exibe um gráfico com indicadores econômicos - Metrópoles - Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Puxado pela alta dos preços da gasolina, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,95% em novembro, segundo os dados divulgados nesta sexta-feira (10/12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O índice havia registrado alta de 1,25% em outubro. Apesar da desaceleração de um mês para o outro, esta foi a maior variação para um mês de novembro desde 2015 (quando foi de 1,01%).

0

O IPCA acumula alta de 9,26% no ano e de 10,74% nos últimos 12 meses, acima do registrado nos 12 meses imediatamente anteriores (10,67%). A inflação acumulada em um ano permanece mais do que o dobro do teto da meta fixada pelo governo para 2021 (5,25%).

A maior variação e o maior impacto vieram do setor de transportes, que correspondeu a cerca de 76% do índice do mês. O setor foi fortemente influenciado pela alta nos preços da gasolina (7,38%). Com o resultado de novembro, a variação acumulada do combustível nos últimos 12 meses foi de 50,78%. Além disso, houve altas nos preços do etanol (10,53%), do óleo diesel (7,48%) e do gás veicular (4,30%).

O segundo maior impacto foi da habitação (1,03%), cujo resultado ficou próximo ao do mês anterior (1,04%). Na sequência, veio o setor de despesas pessoais (0,57%).

No lado das quedas, os destaques foram saúde e cuidados pessoais (-0,57%) e alimentação e bebidas (-0,04%).

Mercado prevê inflação acima de 10%

A última edição do Boletim Focus, divulgada na segunda-feira (6/12), aponta que o mercado espera que a inflação de 2021 tenha alta de 10,18%. Se confirmada a expectativa, será a primeira vez que a inflação atinge o patamar de dois dígitos desde 2015 — quando o IPCA somou 10,67%. Em 2020, a inflação foi de 4,52%.

O BC estabelece regime de metas para controle da inflação. O centro da meta para o corrente ano foi fixado em 3,75%, com variação entre 2,25% e 5,25%. O próprio BC já admitiu oficialmente que a meta não será cumprida neste ano.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações