Gasto do governo com publicidade cresce 63% no 1º trimestre

Record e SBT superam faturamento da Globo. Planalto diz que despesas foram contratadas pelo ex-presidente Michel Temer

Marcos Corrêa/PRMarcos Corrêa/PR

atualizado 15/04/2019 13:29

O Palácio do Planalto gastou 63% mais com publicidade no primeiro trimestre do governo de Jair Bolsonaro (PSL) em relação ao mesmo período de 2018 – ainda na gestão de Michel Temer (MDB). As despesas da Secretaria Especial de Comunicação chegaram a R$ 75,5 milhões, contra os R$ 44,5 milhões do ano passado.

Na comparação com o mesmo período de 2017, a alta é ainda maior. Nos primeiros três meses daquele ano, o governo gastou R$ 35 milhões. Na comparação, o aumento entre 2017 e 2019 é o de 101%.

Pela primeira vez, a TV Record e o SBT ultrapassaram a TV Globo em verbas publicitárias do governo. O Planalto pagou ao canal do Bispo Edir Macedo R$ 10,3 milhões. Em seguida, a emissora de Silvio Santos recebeu R$ 7,3 milhões. A rede da família Marinho ficou com R$ 7,07 milhões. O ranking não mudava desde 2017, período em que a Globo era líder. Os dados foram revelados pelo portal Uol nesta segunda-feira (15/04/2019).

Segundo a reportagem, o faturamento publicitário da Record cresceu no primeiro trimestre de 2019 659%, em comparação com o mesmo período de 2018. A emissora recebeu nos três primeiros meses do ano passado R$ 1,308 milhão. O SBT, por sua vez, ganhou 511% mais dinheiro no período. Em 2018, a emissora embolsou R$ 1,1 milhão.

Segundo o Palácio do Planalto, os gastos não são da gestão de Bolsonaro. Em nota, o governo justificou que as despesas foram contratadas durante o mandato do ex-presidente Michel Temer e o atual chefe do Executivo teria autorizado, até o momento, R$ 12 milhões para a campanha publicitária da reforma da Previdência.

Esses valores são referentes aos gastos do governo com o pagamento de agências de publicidade, pesquisas de opinião pública, comunicação digital e repasses a veículos de comunicação.

Últimas notícias