Ginecologista sofre novos indiciamentos por crimes sexuais em Goiás

Médico foi indiciado por violação sexual mediante fraude e estupro de vulnerável nos municípios de Abadiânia e Anápolis

atualizado 15/10/2021 20:20

Ginecologista violação sexual goiasArquivo pessoal

Goiânia – Além de ser indiciado pela Delegacia de Polícia de Abadiânia, no Entorno do Distrito Federal, o médico ginecologista Nicodemos Júnior Estanislau Morais, de 41 anos, será investigado pelo crime de estupro de vulnerável em desfavor de 22 vítimas e por assédio sexual contra nove mulheres, em Anápolis. A decisão se deu após conclusão do inquérito, nesta sexta-feira (15/10), e é relativo aos fatos criminosos ocorridos no município, onde o médico atendia em uma clínica.

Após força tarefa organizada pela Polícia Civil de Goiás, que teve o trabalho de psicólogos e profissionais de saúde, foram empreendidas diversas diligências, sendo ouvidas as mais de 50 vítimas que compareceram na delegacia, bem como testemunhas e demais documentos probatórios.

0

De acordo com a corporação, o médico segue preso preventivamente por meio de decisão do Tribunal de Justiça de Goiás. Desta forma, o inquérito foi encaminhado para o Judiciário para as devidas providências e ao Ministério Público para possível denúncia.

A divulgação da imagem e identificação do preso foi procedida nos termos da Lei nº 13.869/2019 e da Portaria nº 547/2021 – PC, conforme despacho fundamentado do(a) Delegado(a) de Polícia responsável pelo inquérito policial, de modo que a publicidade de sua imagem possa auxiliar no surgimento de eventuais novas vítimas, com fulcro na primazia do interesse público e da investigação.

Abusos

O médico é investigado por abusos durante atendimentos em, pelo menos, 54 vítimas de Abadiânia, Anápolis, Goiânia e Pirenópolis.

Mulheres relataram à polícia abordagens inapropriadas, contato físico indevido, mostraram conteúdos de mensagens trocadas com o médico e uma delas chegou a relatar uma proposta feita por ele de realizar uma cirurgia em troca de relação sexual.

Mais lidas
Últimas notícias