metropoles.com

Garimpo lavou dinheiro na mesma corretora do Faraó dos Bitcoins

Grupo empresarial preso na Operação Ganância, da Polícia Federal, teria movimentado mais de R$ 16 bilhões entre 2019 e 2021

atualizado

Compartilhar notícia

Getty Images
Moedas douradas de criptomoeda - Metrópoles
1 de 1 Moedas douradas de criptomoeda - Metrópoles - Foto: Getty Images

O garimpo ilegal de ouro também se serviu da Binance, maior corretora de criptomoedas do Brasil e do mundo, para lavar dinheiro.

Investigação da Polícia Federal (PF) revelou que o grupo empresarial alvo da Operação Ganância movimentou dinheiro na plataforma sem declarar ao Fisco. A ação apura a extração e o comércio ilegais de ouro no norte do país, lavagem de dinheiro, corrupção e organização criminosa.

Só o empresário Alysson Alves da Silva, apontado pela Polícia Federal como o responsável por ocultar e dissimular os recursos obtidos a partir da exploração ilegal de ouro no Pará, girou cerca de US$ 3 milhões (o equivalente a R$ 16 milhões ao se considerar a cotação atual) na exchange Binance, entre 12 de junho de 2019 e 1º de novembro de 2021.

Alysson é sócio do empresário Marcelo Alves Macedo, dono da Instruaud e irmão de Márcio Macedo Sobrinho, um dos mentores intelectuais do grupo criminoso.

TRF-1 manda soltar garimpeiros que movimentaram R$ 16 bilhões

O alto valor aplicado por Alysson chamou a atenção dos investigadores. Segundo informações da Receita Federal, o empresário movimentou milhões de reais, o que é “absolutamente incompatível” com os rendimentos declarados ao Fisco.

Ainda não se sabe o valor exato aplicado em criptomoedas pelos criminosos, mas, no total, o grupo girou R$ 16 bilhões entre 2019 e 2021.

“Risco de lavagem”

Assim como o garimpo ilegal de ouro, traficantes de drogas, hackers e outros criminosos têm usado a Binance para lavar dinheiro ilícito.

Reportagem da agência Reuters publicada no mês passado apontou que a corretora serviu como lavagem para um total de ao menos US$ 2,3 bilhões (o equivalente a R$ 12,6 bilhões na cotação atual) entre 2017 e 2021. Para fazer o levantamento, a agência entrevistou pesquisadores, autoridades policiais e vítimas em uma dúzia de países, inclusive na Europa e nos Estados Unidos.

Em setembro de 2020, por exemplo, um grupo de hackers norte-coreano conhecido como Lazarus teria usado a Binance para lavar US$ 5,4 milhões (R$ 29 milhões) roubados de uma pequena exchange eslovaca. A ação fez uma série de ataques cibernéticos que, segundo Washington, tinha como objetivo financiar o programa de armas nucleares da Coreia do Norte.

No Brasil, o Banco Central (BC) notificou o banco Acesso, responsável pelas transações da corretora, a respeito do alto risco de lavagem de dinheiro nas operações e exigiu o envio de informações detalhadas sobre os clientes, como revelou o jornal Folha de S. Paulo.

O BC apurou que a Binance teria movimentado R$ 40 bilhões em 2021 sem que se tivesse qualquer controle sobre quem foram os clientes e se a origem dos recursos era lícita.

A corretora também foi uma das empresas usadas no esquema de pirâmide financeira atribuído ao ex-garçom Glaidson Acácio dos Santos, o Faraó dos Bitcoins.

Tokenização

No caso do garimpo ilegal, o grupo criminoso chegou a criar a própria criptomoeda para lavar dinheiro, como revelou o Metrópoles.

Batizada de IUAD, a moeda digital é vinculada à Instruaud, do empresário Marcelo Macedo. A “tokenização” dos ativos foi realizada para tentar justificar o aumento patrimonial e estrutural do grupo, segundo a PF.

A Instruaud apresentou projeto de expansão, cuja meta seria abrir novas filiais em todas as capitais do país, e prometeu lucros de até 6% ao ano aos investidores.

Os valores investidos no token IAUD são provenientes, quase em sua totalidade, dos próprios responsáveis pela Instruaud, Marcelo Alves Macedo e Alysson Alves da Silva. Eles acreditavam que não poderiam ser rastreados.

Dessa maneira, diz a PF, os recursos ilícitos oriundos do garimpo ilegal poderiam ser injetados na empresa pelos próprios donos com a roupagem de verbas advindas de investidores anônimos que adquiriram o criptoativo, interessados nas vantagens prometidas.

Além da própria moeda digital, os criminosos investiram em ativos já conhecidos do mercado, como bitcoin (BTC), ethereum (ETH), dash (DASH), ripple (XRP), tether (USDT) e binance coin (BNB).

Nessa seara, operações feitas por um dos investigados, conhecidas como “trade”, geraram lucros relevantes. Em uma delas, em apenas um dia, a transação resultou num lucro de aproximadamente R$ 50 mil.

Em redes sociais, a Instruaud também anunciou a Binance como “a plataforma de negociação de criptomoedas líder mundial” e que oferece uma das melhores taxas do mercado brasileiro.

“Comprar e vender criptomoedas, seja você iniciante ou um operador experiente, certamente ficará mais fácil, eficiente e barato na plataforma da Binance. Mais do que uma simples corretora de criptomoedas, a Binance abrange todo um ecossistema blockchain com projetos e lançamentos de tokens, análises e relatórios. Ela é a exchange líder global. É incrível tudo o que a Binance pode proporcionar”, diz publicação da empresa.

Outro lado

Procurada, a Binance alegou que “segurança é prioridade” e que atua em total colaboração com as autoridades locais, incluindo eventuais investigações, para coibir que pessoas mal-intencionadas utilizem a plataforma.

“A exchange ressalta que tem uma equipe de investigação de renome mundial, com ex-agentes internacionais, que trabalha em constante coordenação com as autoridades locais no combate a crimes cibernéticos e financeiros, inclusive no rastreamento preventivo de contas suspeitas e atividades fraudulentas e no treinamento a autoridades de aplicação da lei no Brasil e no mundo sobre como investigar crimes relacionados a cripto”, assegurou a empresa.

Além disso, a corretora disse realizar um trabalho constante de educação e apoio aos usuários, incluindo melhores práticas de segurança.

“A Binance ressalta que trabalhou com a Polícia Federal para levar Glaidson Acácio dos Santos à justiça em 2021, congelando suas contas e identificando fluxos de receita potencialmente ilícitos em várias plataformas no mundo todo”, complementou, em referência ao Faraó dos Bitcoins.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações