Ex-funcionários acusam o vereador Gabriel Monteiro de assédio sexual

Ao todo, cinco pessoas denunciaram o ex-PM e youtuber no Rio. Os relatos apontam situações de constrangimento e de abuso de autoridade

atualizado 28/03/2022 10:52

Vereador do Rio Gabriel Monteiro (PSD) Reprodução/Redes sociais

Rio de Janeiro – O ex-PM, vereador e youtuber Gabriel Monteiro (sem partido) teria cometido assédio sexual e moral com ex-funcionários, servidores e crianças no Rio de Janeiro. As denúncias foram veiculadas pelo programa Fantástico, da Rede Globo, exibido na noite de domingo (27/3).

De acordo com a reportagem, Gabriel Monteiro teria praticado assédios sexual e moral contra então funcionários de seu gabinete na Câmara Municipal do Rio e de seus trabalhos audiovisuais. A matéria mostra também uma possível manipulação de vídeos postados em suas redes sociais e a exploração de crianças.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

Três funcionários e ex-funcionários de seu gabinete denunciaram o exercício da função parlamentar do vereador. Dois deles relatam que Monteiro teria pedido “carinhos” em todas as partes do corpo, inclusive nas genitais.

Uma mulher, que trabalhava para a parte audiovisual do ex-PM, relatou ter sofrido assédio sexual em diversas ocasiões. “Eu queria tirar minha própria vida, porque eu me sentia culpada. Será que estou usando alguma roupa que está causando isso? Será que a culpa é minha de alguma forma? Aí eu começava a pedir a deus para me levar”, disse.

Já uma outra mulher, que não quis ser identificada, afirmou que, apesar de ter começado relações consensuais com o vereador, acabou sendo estuprada. Ela contou que pediu para parar quando o ato sexual ficou mais violento, mas o ex-PM continuou mantendo a relação sexual.

“E ele rindo ‘é uma brincadeira. Não leva a sério, não. Não fica chateada”, contou.

Irregularidades

Gabriel Monteiro foi acusado também de que teria manipulado o conteúdo de seus vídeos postados nas redes sociais e explorar crianças retratadas nas publicações.

Em um dos trechos apresentados na reportagem, o vereador leva uma criança que pedia dinheiro na rua a um shopping e combina a fala dela para que fosse filmada. No vídeo, a menina aparece agradecendo a refeição. As imagens foram divulgadas pelo Fantástico, sem os cortes feitos pelo youtuber.

A matéria mostra também um vídeo em que o ex-PM simula uma situação de tiroteio em uma das comunidades da cidade e acionou reforço policial.

Defesa

Logo após a exibição da reportagem, Gabriel Monteiro usou suas redes sociais para se manifestar contra a TV Globo. Segundo o vereador, a emissora mentiu e disse que a suposta vítima estuprada o procurou após o ato citado.

“O Fantástico mentiu muito! A suposta estuprada me procurou para ficar comigo após esse suposto ato. A família da criança está indignada com a reportagem, só estávamos mostrando a realidade da menina que teve a vida mudada. A que alegou assédio cobrou 100 mil (reais) para não falar na TV”, disse o ex-PM no Twitter.

Sobre o caso da menina que aparece nas imagens, o Monteiro afirmou que as famílias citadas “estão indignadas”.

“As famílias estão indignadas com a Globo. Antes de gravar, as mães deram o roteiro de vida delas. Fome, abandono paterno, situação de rua. Eu, ao longo do vídeo, vou apenas introduzindo a realidade. Objetivo claro: vocês verem o vídeo e entenderem a real necessidade de ajudá-las. E qualquer pessoa que tem experiência de vídeo sabe que o conteúdo tem que ser cadenciado. Nunca mentiroso. O fato de eu ajudar a criança a falar sua realidade só demonstra minha vontade delas mudarem de vida”, escreveu na rede social.

Mais lidas
Últimas notícias