PSDB decide liberar apoio de diretórios e filiados no segundo turno

A decisão foi anunciada após reunião da executiva do partido nesta terça-feira (4/10). Mais cedo, Rodrigo Garcia se alinhou a Bolsonaro

atualizado 04/10/2022 21:36

Bruno Araújo, Presidente Nacional do PSDB Fábio Vieira/Metrópoles

O PSDB anunciou nesta terça-feira (04/10) a liberação de diretórios estaduais e filiados para as eleições de segundo turno neste ano. Desta forma, os partidários podem escolher livremente qual dos dois candidatos que disputam a Presidência para apoiar em 30 de outubro.

Mais cedo, ainda nesta terça, o governador de São Paulo e candidato à reeleição derrotado Rodrigo Garcia decidiu apoiar Tarcísio de Freitas (PL) na disputa ao governo de São Paulo e Jair Bolsonaro (PL) à Presidência.

A decisão do PSDB aconteceu após reunião da Executiva Nacional da sigla. De forma remota, 37 membros participaram do encontro que confirmou a posição neutra do partido.

Na eleição presidencial, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teve 57.259.504 votos (48,43%) e o atual presidente Jair Bolsonaro recebeu 51.072.345 (43,2%). O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concluiu às 10h27 desta terça a totalização dos votos do primeiro turno.

Redução

A legenda tucana encolheu durante o pleito eleitoral deste ano. No Congresso Nacional, o PSDB foi de 23 deputados para 18 e não conseguiu emplacar nenhum senador na Casa Alta. Este foi o pior resultado da legenda desde 1998. O resultado também foi crítico nos estados. Em São Paulo, o berço político dos tucanos, o candidato Rodrigo Garcia ficou em terceiro lugar, com 18% dos votos, não conseguindo nem se consolidar no segundo turno.

A sigla ainda vai disputar o segundo turno em quatro estados: no Rio Grande do Sul, entre Eduardo Leite (PSDB) e Onyx Lorenzoni (PL); em Mato Grosso do Sul, com Eduardo Riedel (PSDB) contra Capitão Contar (PRTB); em Pernambuco, com Raquel Lyra (PSDB) contra Marília Arraes (Solidariedade); e na Paraíba, onde Pedro Cunha Lima (PSDB) vai enfrentar João Azevedo (PSB). Em todos esses estados, os tucanos chegaram em segundo lugar.

Mais lidas
Últimas notícias