BTG/FSB: Lula sobe para 44% das intenções de voto. Bolsonaro mantém 35%

O petista subiu três pontos percentuais em relação ao último levantamento, em 12 de setembro. O atual presidente manteve o índice

atualizado 19/09/2022 8:38

O Instituto FSB Pesquisas, contratado pela BTG Pactual, publicou, nesta segunda-feira (19/9), pesquisa eleitoral de candidatos à Presidência da República. De acordo com o levantamento, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) atingiu 44% das intenções de voto, enquanto o atual presidente Jair Bolsonaro (PL) apresenta 35%.

Em comparação com a pesquisa divulgada em 12 de setembro, na qual Lula estava com 41%, o ex-presidente subiu três pontos percentuais. Já Bolsonaro manteve os 35%. O cenário considerado é o estimulado, no qual os nomes dos candidatos são apresentados aos eleitores.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
0

Ciro Gomes (PDT) e Simone Tebet tiveram queda em relação ao último levantamento, ambos dentro da margem de erro. Ciro saiu de 9% para 7%; já Tebet caiu de 7% para 5%. Somados, os demais candidatos tiveram 2%. Votos nulos ou em branco alcançaram 4%, e os eleitores indecisos totalizam 3%.

Para a pesquisa, o instituto entrevistou 2 mil eleitores, por telefone, entre os dias 16 e 18 de setembro de 2022. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, com nível de confiança de 95%. O levantamento foi registrado no TSE sob o protocolo BR-07560/2022.

Presidente, governador e senador: veja quem são os pré-candidatos nas Eleições 2022

Cenário espontâneo

No cenário espontâneo (no qual os nomes não são apresentados aos entrevistados), os dois líderes nas pesquisas apresentaram crescimento. Lula saiu de 39% para 42%, em relação ao levantamento de 12 de setembro. Já Bolsonaro subiu de 33% para 34%.

Ciro e Tebet, no entanto, tiveram queda. O pedetista estava com 6% e foi para 4%. Tebet caiu de 5% para 3%. Os demais candidatos permaneceram com 2% de citação. Votos nulos ou em branco também mantiveram 6%. E os eleitores indecisos somam agora 9%, contra 8% da pesquisa anterior.

Mais lidas
Últimas notícias