Bolsonaro visita igreja e pastor pede que fiéis virem votos no Nordeste

Em campanha à reeleição, presidente quer diminuir vantagem de Lula na região em que o petista teve 12,9 milhões de votos a mais

atualizado 04/10/2022 21:53

Divulgação/Campanha Jair Bolsonaro

São Paulo e Brasília – Em seu primeiro dia de agendas de campanha focadas no segundo turno das eleições, o presidente da República e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL), participou, na tarde desta terça-feira (4/10), de um culto da Assembleia de Deus, em São Paulo.

Durante o evento reliogoso, o pastor José Wellington Júnior pediu aos fiéis que liguem para “parentes nordestinos” em busca de “alcançar a virada” na disputa presidencial. A votação em segundo turno está marcada para 30 de outubro. O petista venceu a corrida pelo Palácio do Planalto no Nordeste no primeiro turno, conseguindo 12,9 milhões de votos a mais que o atual presidente na região.

O atual chefe do Executivo federal também ficou atrás de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no cenário nacional. O candidato do PL recebeu 51 milhões de votos (43,20%), enquanto o petista ficou com 57,2 milhões (48,43%).

“Quem tem parente no Nordeste, que ligue para ele e diga em quem ele deve votar, porque alguns nordestinos estão muito mal informados. Muitas vezes não têm acesso a uma imprensa boa ou estão sendo mal informados. Mas você que é de confiança, peça que ele vote na pessoa correta”, pediu o religioso.

No culto, Bolsonaro pediu que os fiéis não se “omitam” e não caiam no “canto da sereia” do “lado ruim”. “Estavam todos contra mim, a esquerda, os institutos de pesquisas, a mídia, alguns magistrados togados”, afirmou o candidato do PL sobre o primeiro turno das eleições 2022.

Ao discursar no evento religioso, Michelle disse caso o marido tivesse vencido em primeiro turno, a igreja “não estaria preparada”. “Não têm sido fácil esses dias. Nós queríamos, sim, a vitória no primeiro turno. Mas nós entendemos que, se a vitória viesse no primeiro turno, a igreja não estaria preparada”, disse. “Deus nos deu mais uma chance, irmãos”, continuou a primeira-dama.

“Vota ou excluímos da igreja”

Já na Assembleia de Deus Ministério de Madureira, no Brás, Bolsonaro foi recebido pelo pastor Samuel Ferreira e seu pai Manoel Ferreira, também líder evangélico e político filiado ao PSC.

“Depois de amanhã, eu estou indo para o Nordeste. Vou pegar do Piauí até Salvador pedindo voto de um jeito simples: ‘Ou vota ou a gente exclui da igreja’. Coisa leve, natural de crente”, disse Samuel. Muitos fiéis presentes riram e o pastor continuou: “Não, eu não vou fazer isso, pelo amor de Deus”.

Rejeição de Lula na Bahia

O candidato à reeleição e atual presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), terá o apoio de governadores de três dos cinco maiores colégios eleitorais do país. Até o momento, ele conta com alianças com os chefes estaduais de São Paulo, Minas Gerais e do Rio de Janeiro para seguir no comando do Palácio do Planalto por mais quatro anos.

Dois dias após o resultado do primeiro turno, o mandatário da República já garantiu o apoio dos governadores Rodrigo Garcia (PSDB-SP), Romeu Zema (Novo-MG) e Cláudio Castro (PL-RJ).

A campanha do atual presidente quer trabalhar a rejeição de Lula em Minas, São Paulo, Rio e Bahia. O quinto estado com o maior número de eleitores, Rio Grande do Sul, já é visto como mais bolsonarista.

No caso da Bahia, quarto maior colégio eleitoral do país, Bolsonaro busca uma aproximação com ACM Neto (União), que disputa o segundo turno com o candidato do PT, Jerônimo Rodrigues. Jerônimo terminou a disputa à frente, com 49,45% dos votos válidos, ante 40,80% de ACM. No primeiro turno, Lula venceu Bolsonaro na Bahia por 69,70% a 24,33%.

Bolsonaro tem dito que está “ à disposição” do candidato do União para uma conversa. O ex-prefeito de Salvador disse que iria estudar o apoio em nível federal.

Mais lidas
Últimas notícias