Bolsonaro sobre presença de Lula em debates: “Não dou bola para isso”

Presidente disse que pretende ir a debates, mas ponderou: "Não vou ficar preso a uma agenda onde alguém vai me atacar de forma gratuita"

atualizado 02/08/2022 23:20

Reprodução

Questionado se irá participar dos debates de primeiro e segundo turnos nas eleições deste ano, o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que pretende ir e que “não vai dar bola” caso o pré-candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, compareça ou não nas ocasiões.

“Tenho que falar que eu pretendo ir. Na política tudo é dinâmico. Pretendo ir, até porque tenho muita coisa a apresentar. Eu não vou ficar preso a uma agenda onde alguém vai me atacar de forma gratuita”, disse, durante entrevista ao SBT Brasil.

Na sequência, acrescentou: “Não vou dar bola para isso, não [presença de Lula em debates]. A princípio, a ideia é comparecer aos debates para mostrar o que nós fizemos”.

Veja:

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
0

Em 2018, quando disputou a cadeira presidencial, Bolsonaro foi duramente criticado por se ausentar de alguns debates com candidatos ao pleito. Durante o período eleitoral, o então candidato foi esfaqueado durante campanha em Juiz de Fora, Minas Gerais.

Na semana passada, o atual titular do Planalto disse que iria “debater com o cara” durante os debates de primeiro turno nas eleições deste ano. O chefe do Executivo federal, no entanto, evitou citar Lula, seu principal adversário e que atualmente aparece à frente em todas as pesquisas eleitorais.

Em junho, Bolsonaro disse que só pretendia participar de debates com os candidatos à Presidência em um eventual segundo turno das eleições. Na ocasião, o presidente sugeriu perguntas “combinadas” para evitar “pancadas”. Dias depois, afirmou que caso Lula compareça aos debates, o atual mandatário da República “vai junto com ele”.

Em janeiro deste ano, o chefe do Executivo federal afirmou que compareceria a todos os debates. Na ocasião, ele também ressaltou que a presença nas discussões só seria efetiva se os familiares não fossem citados pelos oponentes.

Mais lidas
Últimas notícias