Bolsonaro sobre bloqueio em universidades: “Militância é enorme”

Presidente afirmou que o orçamento para educação é R$ 900 milhões maior que 2021, mas que há um "carnaval" contra no setor

atualizado 07/10/2022 15:30

Bolsonaro dá coletiva no Alvorada Mariana Costa/Metrópoles

Em coletiva de imprensa na tarde desta sexta-feira (7/10), o presidente e candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), disse que a “militância” das universidades é contra ele. O mandatário comentava o  contingenciamento de 5,8% da verba de órgãos vinculados ao Ministério da Educação.

“Sabemos que, nas universidades, a militância é enorme. É um ‘carnaval’ contra a minha pessoa. Eu estou quase contra tudo e contra todos”, disse Bolsonaro.

Em decreto publicado no último dia 30 de setembro, o governo limitou novos gastos de universidades, institutos federais e outros órgãos. Para as instituições universitárias, o bloqueio chega a R$ 328,5 milhões.

O bloqueio se soma a um corte de 7,2% nos recursos do Ministério da Educação, entre maio e junho deste ano. Somado, o valor bloqueado chega a R$ 763 milhões nas universidades federais e R$ 300 milhões nos institutos federais.

“O orçamento da educação no corrente ano é R$ 900 milhões maior do que o anterior. Em certos momentos, eu tenho que postergar o pagamento. Nunca deixamos de empenhar tudo e vai ser pago em dezembro, nada mais além disso. Quando se fala em orçamento, não é um decreto presidencial”, completou Bolsonaro.

Paralisação de serviços básicos

Organizações alertam que o bloqueio pode acarretar na paralisação de serviços básicos para o funcionamento das instituições, como o fornecimento de água, luz, vigilância e limpeza, além de afetar o desenvolvimento de pesquisas científicas.

“Contingenciamento é uma coisa que sempre acontece na execução orçamentária, mas é muito inusual que ele aconteça no mês de outubro, quebrando qualquer possibilidade de planejamento, na reta final da execução”, ressalta o presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Ricardo Fonseca.

Segundo a associação, o contingenciamento resulta em R$ 328,5 milhões a menos somente para as instituições de ensino superior. Nos institutos federais, o corte foi de R$ 147 milhões, de acordo com a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica.

Em tese, o montante deve ser desbloqueado no final do ano, mas, de acordo com o presidente da Andifes, não há garantia por parte da pasta de que o valor, de fato, voltará. “Ainda que esses recursos possam voltar em dezembro, o fato de as universidades ficarem, na sua grande maioria, com os cofres vazios nesse período – outubro e novembro – instaura um drama”, avalia.

Mais lidas
Últimas notícias