Bolsonaro se reaproxima de antigos aliados em campanha pela reeleição

Núcleo de campanha, coordenado por Flávio Bolsonaro, avalia que reaproximação estratégica pode ter grande influência no resultado do pleito

atualizado 25/06/2022 9:46

Presidente Jair Bolsonaro durante Solenidade alusiva à Política Nacional para Recuperação das Aprendizagens na Educação Básica e ao MECPlace no palacio planalto em brasíliaHugo Barreto/Metrópoles

A menos de 100 dias das eleições, o presidente Jair Bolsonaro (PL) deu um novo passo na campanha pela reeleição ao Palácio do Planalto. Orientado pelo núcleo de campanha – coordenado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ) –, o atual mandatário da República retomou o contato com antigos aliados. A avaliação do grupo é que a reaproximação estratégica pode ter grande influência no resultado do pleito de outubro deste ano. 

Um dos nomes com que Bolsonaro se reaproximou foi o de Fabio Wajngarten, que retornou ao ciclo mais próximo do presidente mais de um ano após deixar o governo. Segundo relatos, ele passou a atuar na relação do presidente com os meios de comunicação, a exemplo do que fez na campanha de 2018.

Wajngarten deixou o ministério em março do ano passado. O Palácio do Planalto ainda discute se o ex-secretário retornará como assessor da Presidência ou da campanha. O caminho mais provável é que Wajngarten volte como assessor palaciano, o que facilitaria o acesso direto dele a Bolsonaro, sobretudo nas viagens presidenciais.

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

Comunicação dividida

Além do ex-secretário, outros três nomes também ficam responsáveis pela comunicação da campanha: Duda Lima, Sérgio Lima e Carlos Bolsonaro. A quantidade de “palpiteiros” provocou uma falta de sintonia na campanha (entenda mais abaixo).

Duda Lima é marqueteiro e, há 20 anos, presta serviço ao PL, partido de Bolsonaro. Ele foi convocado para a campanha de reeleição no ano passado pelo presidente do partido, Valdemar Costa Neto. O marqueteiro é responsável pelas inserções partidárias veiculadas em meios de comunicação, como rádio e televisão.

Já Sérgio Lima é um antigo aliado de Bolsonaro e foi um dos responsáveis por tentar tirar do papel a criação do partido Aliança pelo Brasil – legenda idealizada por Bolsonaro, mas que acabou não vingando por falta de assinaturas. Ele já trabalhou na campanha do deputado General Peternelli (União-SP). 

O vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) manifesta-se contra o trabalho de Duda e Sérgio Lima. O filho do presidente, que comanda as redes sociais do pai desde 2018, defende que Bolsonaro não use as ferramentas tradicionais de campanha, como tempo de rádio e televisão, e recursos partidários. Por várias vezes, Jair Bolsonaro já disse que sua vitória nas eleições passadas ocorreu graças ao filho.

Outros nomes

O empresário José Trabulo Júnior foi escalado pelo ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP-PI) – que integra o núcleo de campanha do presidente –, para coordenar a parte operacional e de infraestrutura no comitê de Bolsonaro. Ele já coordenou as campanhas de ministro e é conhecido nos bastidores da política do Piauí como “puxa-saco profissional” de Nogueira.

A área jurídica da campanha de reeleição de Bolsonaro fica a cargo de Tarcísio Vieira de Carvalho Neto, ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e da advogada Caroline Maria Lacerda. É a dupla que define o timing de certas medidas eleitoreiras para evitar questionamentos da Justiça Eleitoral.

O ex-ministro Walter Braga Netto, cotado para ser vice na chapa de Bolsonaro, tem tido sua imagem usada para deixar o presidente próximo da ala militar. Na campanha, ele também é responsável pela elaboração do plano de governo. 

O general, no entanto, perdeu força no entorno bolsonarista do presidente nas últimas semanas. O nome da ex-ministra Tereza Cristina voltou a ser ventilado para o posto de vice. Como o próprio Bolsonaro já disse em diversas ocasiões, o nome do seu aliado (ou aliada) de chapa será definido no prazo-limite, que se encerra em 15 de agosto, conforme determina a legislação eleitoral.

Falta de sintonia

Atualmente, há ao menos quatro grupos trabalhando para que Bolsonaro siga na Presidência da República: o bunker digital do Planalto; o núcleo de campanha e marqueteiros partidários; a Secretaria de Comunicação da Presidência; e os responsáveis pelas redes sociais de Bolsonaro.

Todas essas frentes, porém, não estão unificadas, e brigam por destaque. Somado a isso, o presidente Jair Bolsonaro ainda faz declarações consideradas por aliados como “problemáticas”, pois podem afastar eleitores mais moderados, que teriam o potencial de fazê-lo vencer o pleito de outubro.

Interlocutores já dizem que a “falta de sintonia” desnorteia a campanha de Bolsonaro, o que acaba por prejudicar a imagem do presidente. Essa conjuntura pode ser demonstrada nas recentes pesquisas eleitorais, que apontam ampla vantagem do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas intenções de voto.

O núcleo de reeleição do chefe do Executivo federal argumenta que a falta de alinhamento só prejudica Bolsonaro, e insiste em centralizar a campanha. Nenhum lado, no entanto, aceitou ceder até o momento.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias