Alvos na CPI, Nise Yamaguchi e Capitã Cloroquina não se elegeram

As duas médicas foram muito criticadas durante a CPI da Covid-19, no Senado, mas falharam na corrida por vaga na Câmara dos Deputados

atualizado 03/10/2022 14:14

Nise Yamaguchi e Mayara Pinheiro Rafaela Felicciano/Metrópoles

Duas médicas que chamaram muita atenção durante a CPI da Covid-19, em 2021, concorreram nas eleições deste ano para o cargo de deputado federal. Nise Yamaguchi (Pros) fez 36.690 votos em São Paulo, o que não foi suficiente. Da mesma forma, Mayra Pinheiro (PL), que ficou conhecida como “Capitã Cloroquina” chegou a 71.205 votos no Ceará. Com o número, assume como suplente.

As duas viraram alvos durante a CPI. Pinheiro, defensora ferrenha da cloroquina, ficou conhecida por organizar uma comitiva de médicos a Manaus para promover o chamado “tratamento precoce” para a Covid-19, mesmo sem a comprovação de eficácia no tratamento do novo coronavírus — no auge da crise de oxigênio hospitalar na capital amazonense.

Pinheiro, que trabalhou diretamente no Ministério da Saúde, havia sido candidata anteriormente à Câmara, em 2014, e ao Senado Federal, em 2018, sem sucesso em ambas as campanhas.

Confira os resultados do primeiro turno nas eleições de 2022

Nise Yamaguchi foi convocada pela CPI também por ser defensora do uso da cloroquina no tratamento da Covid-19. Além disso, era nominalmente citada como uma das integrantes do chamado “ministério paralelo”, que supostamente assessorava o presidente Jair Bolsonaro (PL) sobre medidas de enfrentamento da pandemia.

Em uma das passagens da CPI, o senador Otto Alencar (PSD-BA), que é médico, criticou fortemente Yamaguchi. Ele disse estar “cansado de médico de audiovisual” e chamou a colega de superficial. “A senhora não sabe nada de infectologia, nem estudou, doutora. A senhora foi aleatória mesmo, superficial. A senhora não podia de jeito nenhum estar debatendo um assunto que não é do seu domínio. Isso não é honesto, doutora”, continuou o parlamentar.

Ela chegou a processar senadores da CPI da Covid-19 por danos morais, mas não a ação não foi para frente.

Mais lidas
Últimas notícias