“Não vamos superestimar a doença”, afirma Bruno Covas sobre a Covid-19

Em sabatina para o segundo turno das eleições, prefeito diz que não há espaço para "discurso alarmista"

atualizado 24/11/2020 12:10

Bruno covas eleicoes sao paulo sp prefeito 2020Fábio Vieira/Especial Metrópoles

São Paulo – O prefeito e candidato à reeleição em São Paulo, Bruno Covas, pediu calma no combate público à pandemia do novo coronavírus, na manhã desta terça-feira (24/11).

“Não há razão para dizer que a pandemia já acabou”, disse ele, “mas também não há espaço para discurso alarmista dizendo que estamos escondendo dados da Covid-19”, ponderou, durante sabatina na rádio CBN.

0

Covas afirmou que número de internações no município cresceu de 13% para 20% do total de infectados do início da pandemia, em março, até novembro. As mortes cresceram 24,5% na capital em um mês, do dia 14/10 ao 17/11, segundo a Secretaria Municipal de Saúde

“Em nenhum momento, o calendário interferiu no combate à pandemia”, comentou, lembrando que feriados foram antecipados para ajudar no enfrentamento à pandemia. “Os dados mostram estabilidade de casos, óbitos e aumento nas internações”, acrescentou.

Números

A cidade de São Paulo registrou 14,7 mil mortes por Covid-19 desde o início da pandemia. “Não podemos subestimar a doença e relaxar”, pediu Covas. “Quem puder deve ficar em casa, lavar as mãos e usar máscara. Mas também não vamos superestimar a doença”, acrescentou.

Sobre uma eventual segunda onda do vírus, em função do relaxamento das medidas de isolamento social, o prefeito disse que o poder público está mais preparado.

“A gente foi aprendendo a lidar com a pandemia. De maio para cá descobrimos, por exemplo, que os casos assintomáticos entre as crianças é o dobro dessa relação entre adultos”, contou, comentando também que a máscara é mais eficiente do que o álcool no combate à proliferação da doença.

Últimas notícias