Já sabe o que fazer com a nota do Enem 2019? Veja as opções

Na quarta reportagem da série sobre o exame, o Metrópoles mostra como usar as notas do processo seletivo

Fotografierende, UnsplashFotografierende, Unsplash

atualizado 29/09/2019 9:51

Após divulgação das notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), podem surgir dúvidas nos participantes sobre quais possibilidades de usar a prova para entrar no ensino superior. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), os resultados podem ser usados como mecanismo único, alternativo ou complementar de acesso, desde que exista adesão por parte das Instituições de Educação Superior (IES).

O professor de História do curso pré-vestibular Único Rodrigo Pavan explica que o ingresso pode ser feito em qualquer universidade pública que possua cadastro no Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Além disso, pode ser usado em programas de financiamento do governo, como o Programa Universidade para Todos (ProUni).

Além das instituições brasileiras, Rodrigo acrescenta que algumas universidades de fora do país reconhecem a nota do exame como forma de ingresso. “Existem 34 faculdades em Portugal que aceitam diretamente o Enem. França, Reino Unido e Estados Unidos também, mas o processo é mais complexo”, completou.

“Assim que sai a nota, o aluno deverá acessar o site do Sisu, em data pré-definida no edital, e colocar as notas nas universidades desejadas”, destacou Pavan. O aluno então fará parte de uma espécie de “leilão” e poderá verificar onde ele tem mais chances de entrar e se inscrever no curso que almeja.

No último dia desse “leilão”, o aluno se candidata, mas só saberá se foi aceito com a divulgação dos resultados. “Cada faculdade tem um método diferente, principalmente no quesito dos pesos para cada área”, enfatizou.

Saber como usar a nota no Enem é importante também para garantir um bom desempenho. Isso porque as provas têm peso diferente a depender da instituição que o aluno vai escolher, segundo o professor de redação e supervisor pedagógico do Sigma, Eli Carlos Guimarães.

“Na UFMG [Universidade Federal de Minas Gerais], a redação vale 20%. Na UnB [Universidade de Brasília], 1/13 da nota total. Habitualmente, a redação é usada em igualdade com as demais áreas, mas isso pode mudar”, comentou.

Últimas notícias