Ensino superior: pela 1ª vez, aulas a distância superam presenciais

Segundo o governo federal, quase 40% da população de 18 a 24 anos concluiu o ensino médio e não frequenta a universidade

iStockiStock

atualizado 19/09/2019 18:32

O Ministério da Educação divulgou dados do Censo da Educação Superior de 2018. Foram oferecidas 13,5 milhões de vagas, sendo que pela primeira vez as aulas a distância ultrapassaram os cursos presenciais. Foram 7,1 milhões e 6,5 milhões, respectivamente — 18% a mais.

Carlos Moreno, diretor de estatísticas educacionais do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), explicou que mesmo as vagas a distância sendo em maior volume, os estudantes dos cursos presenciais ainda são maioria. No entanto, em cinco anos, houve uma redução de 13% desse grupo. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (19/09/2019).

Mas os números da graduação a distância em 2018 praticamente dobraram em comparação a 2017. Se no ano passado foram 7,1 milhões de vagas para essa modalidade de ensino, no ano anterior foram 4,7 milhões. No mesmo período, a oferta de cursos a distância aumentou 50,7%. Foram 3.177 em 2018 contra 2.108 cursos em 2017,

Segundo o governo federal, quase 40% da população de 18 a 24 anos concluiu o ensino médio e não frequenta a universidade. Nesse universo, apenas 21,7% frequentam algum curso superior.

Há três anos consecutivos o número de matrículas no ensino médio tem caído no país. Em 2016, foram 8.133 ingressos. Em 2017, 7.930 e, no ano passado, 7.710. Carlos Moreno destacou que no Brasil o ensino superior ainda é uma ferramenta para aumento salarial.

O país, segundo o Inep, tem atualmente 2,5 mil universidades e faculdades e mais de 8,4 milhões de alunos. As instituições privadas ainda são a principal fonte de ensino superior no país.

Segundo o Ministério da Educação, o número de inscrições em curso de graduação a distância tem crescido substancialmente nos últimos anos. O mais recente panorama mostra que os ingressos saltaram de 20%, em 2008, para 40%, no último ano.

Últimas notícias