Veja em 11 pontos o que muda com novo tipo de financiamento da Caixa

Medida foi lançada nesta terça-feira pelo banco. Estimativa é de que ao menos 150 mil novos contratos sejam assinados em um ano

Reprodução

atualizado 20/08/2019 19:25

Na próxima segunda-feira (26/08/2019), a Caixa Econômica Federal passará a oferecer crédito imobiliário calculado pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ou seja, pela taxa da inflação oficial. A medida deve aquecer o setor, mas traz uma série de mudanças nos contratos com o banco público.

O Metrópoles preparou um guia para orientar os clientes que desejam adotar o modelo de financiamento. As regras só valem para novos contratos. O programa foi lançado nesta terça-feira (20/08/2019). Segundo estimativa da Caixa, será possível reduzir em até 51% o valor das prestações. Veja o que muda.

Taxas
A Caixa cobra hoje juros entre 8,5% e 9,75% ao ano mais a Taxa Referencial (TR), que está zerada, nos contratos feitos pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH). Agora, o banco cobrará IPCA + 2,95% ao ano até IPCA + 4,95% ao ano, dependendo de critérios como renda dos clientes e relacionamento com o banco.

Prazo
O prazo de financiamento será menor. Nos financiamentos que adotam a tabela Price, em que o valor da prestação começa mais baixo no início do contrato e vai subindo ao longo do tempo, o prazo será de 20 anos.

No Sistema de Amortização Constante (SAC), em que ocorre o inverso, o prazo do financiamento será de 30 anos. Hoje esse tempo pode chegar a 35 anos.

Valor da prestação
O valor da prestação, que pode atingir 30% do salário hoje, também será menor. Ela será de 20% para SAC e de 15% para Price.

Cota de financiamento
A cota do financiamento, segundo a Caixa, será de 80% do valor do imóvel. Atualmente, o valor chega a 90% do preço do imóvel.

Quem pode aderir?
O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, destaca que o cliente escolherá qual modelo irá adotar. Gerentes estão sendo treinados para explicas as condições da TR e do IPCA nas agências.

Já tenho financiamento, posso migrar?
A legislação do setor não permite que o cliente migre para outro regime de financiamento quando a taxa indexadora é menor. A mudança só é permitida com taxas semelhantes.

Com IPCA, a prestação vai ficar mais barata?
A Caixa estima que a redução real no valor da prestação pode variar de 35% a 51% a depender do contrato.

O modelo já existia?
O novo indexador é uma novidade no mercado imobiliário e foi autorizado pelo Banco Central, na semana passada, para todas as instituições financeiras.

Efeitos na economia
A Caixa estima que a mudança aqueça o setor imobiliário. São esperados ao menos 150 mil novos contratos e um lucro de R$ 10 bilhões.

IPCA
Neste ano, a previsão de economistas é de que o IPCA termine o ano em 3,71%. Ao fim de 2020, a inflação deve estar em 3,90%. A longo prazo, a meta da inflação foi reduzida para 3,75% ao ano.

E o FGTS?
Quem tem recursos no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) poderá usar o dinheiro como entrada na compra de imóvel de até R$ 1,5 milhão.

Últimas notícias