Justiça libera R$ 1,5 bi em atrasados do INSS. Veja quem tem a receber

Quase 100 mil beneficiários terão direito às requisições de pequeno valor, segundo dados do Conselho da Justiça Federal

atualizado 25/07/2022 16:01

INSS previdencial SocialHugo Barreto/Metrópoles

O Conselho da Justiça Federal (CJF) informou ter liberado mais de R$ 1,5 bilhão em requisições de pequeno valor (RPVs) que correspondem a matérias previdenciárias e assistenciais. Na prática, o dinheiro é pago para quem ganhou processos contra o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), a exemplo de revisões de aposentadorias, auxílio-doença, pensões e outros benefícios.

Cerca de 100 mil segurados do instituto terão direito ao benefício. As requisições foram autuadas em junho deste ano.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
0

Só o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), com jurisdição no Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais e em outros 11 estados, recebeu R$ 598 milhões de RPVs previdenciárias ou assistenciais, destinado a 33 mil beneficiários.

Cabe aos Tribunais Regionais Federais (TRFs), segundo cronogramas próprios, efetuarem o depósito dos recursos financeiros liberados.

“Com relação à data em que as contas serão efetivamente liberadas para saque, tal informação deve ser buscada na consulta de RPVs disponível no portal do respectivo Tribunal Regional Federal”, explicou o CJF, em nota.

Veja a lista onde você pode consultar:

  • TRF da 1ª Região (DF, MG, GO, TO, MT, BA, PI, MA, PA, AM, AC, RR, RO e AP): RPVs previdenciárias – R$ 598 milhões (33 mil beneficiários). Acesse aqui;
  • TRF da 2ª Região (RJ e ES): RPVs previdenciárias – R$ 136 milhões (8,7 mil beneficiários). Acesse aqui;
  • TRF da 3ª Região (SP e MS): RPVs previdenciárias – R$ 245 milhões (11 mil beneficiários). Acesse aqui;
  • TRF da 4ª Região (RS, PR e SC): RPVs previdenciárias – R$ 342 milhões (25 mil beneficiários). Acesse aqui;
  • TRF da 5ª Região (PE, CE, AL, SE, RN e PB): RPVs previdenciárias – R$ 212 milhões (21 mil beneficiários). Acesse aqui.

Mais lidas
Últimas notícias