IRPF 2020: restituição sairá mais cedo. Veja como antecipar a sua

Neste ano, cinco lotes serão entregues entre maio e setembro. Antes, a restituição do IR era paga até dezembro

Rafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 19/02/2020 17:03

A Receita Federal anunciou nesta quarta-feira (19/02/2020) que decidiu antecipar em alguns meses a restituição do Imposto de Renda (IR). Além disso, o número de lotes foi reduzido de sete para cinco.

A Declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) deste ano deverá ser entregue entre 2 de março e 30 de abril.

A autarquia estima que cerca de 32 milhões de declarações serão feitas neste ano, revelou Joaquim Adir, supervisor nacional do Imposto de Renda.

Antes, o primeiro lote da restituição era pago em junho e o último apenas em dezembro. Neste ano, os lotes serão entregues entre maio e setembro.

Veja o calendário de restituição do IR:

  • 1º lote: 29 de maio de 2020
  • 2º lote: 30 de junho de 2020
  • 3º lote: 31 de julho de 2020
  • 4º lote: 31 de agosto de 2020
  • 5º lote: 30 de setembro de 2020

Como antecipar
Especialistas ouvidos pelo Metrópoles recomendam preparar os documentos nessas próximas duas semanas para fazer a declaração logo no início do período.

“Tirando as preferências legais, o que se recomenda é que se faça logo a declaração do Imposto de Renda, ou seja, que não se deixe para os últimos dias”, explica o advogado especialista em direito tributário Antonio Gonçalves.

Isso porque o primeiro lote é composto na maioria das vezes pelos preferenciais – como idosos, professores e deficientes – e uma parcela menor daquelas pessoas que entregaram no início do prazo.

Não é possível saber, de antemão, em qual lote o contribuinte vai receber. Mas é possível acompanhar e ficar atento aos lotes.

“O que se pode ser feito é acompanhar a declaração e seguir consultando o CPF assim que for liberado o primeiro lote de restituição”, explica Élcia Lemos, contadora e sócia da Essência Gestão Contábil.

Caso o contribuinte não seja contemplado em nenhum dos cinco lotes, ele pode ter caído na malha fina ou ter alguma informação incorreta nos dados bancários, pontua a especialista.

Últimas notícias