metropoles.com

“Inflação do aluguel” deve fechar o ano no menor valor desde 2014

O IGP-M, índice de inflação que corrige contratos de alugueis, recuou 0,56% em novembro e deve fechar o ano no menor nível desde 2014

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução
Aluguel
1 de 1 Aluguel - Foto: Reprodução

O Índice Geral de Preços ao Mercado (IGP-M) caminha para encerrar 2022 com a menor variação dos últimos oito anos. O indicador, conhecido por ser a “inflação do aluguel”, acumulou alta de 4,98% até novembro.

A última vez em que o IGP-M ficou abaixo de 5% foi em 2014, quando encerrou o ano em 3,69%. Considerando os resultados mais recentes, o indicador está ligeiramente abaixo do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que tem alta de 5,3% no ano.

Enquanto o IGP-M reflete a inflação do “varejo”, uma vez que é composto por índices de preços ao produtor, o IPCA acompanha mais de perto os custos de produtos e serviços ao consumidor.

O IGP-M é utilizado na correção de contratos de locação e na correção do saldo devedor de imóveis comprados na planta, apesar de não ser um reflexo direto do custo de vida dos brasileiros.

Em maio passado, o índice alcançou uma variação de 37%, em razão da disparada do dólar e de produtos básicos, como combustíveis e grãos. Na época, muitos inquilinos foram obrigados a deixar seus imóveis, e proprietários de imóveis na planta distrataram seus bens, por não conseguir arcar com os elevados reajustes.

Vale a pena trocar o IGP-M pelo IPCA?

Diante da disparada do IGP-M, imobiliárias e plataformas de locação, como o QuintoAndar, disponibilizaram a opção de os contratos de locação serem corrigidos pelo IPCA. Para acontecer, a mudança do indexador deveria ser aprovada pelo proprietário e pelo inquilino.

De acordo com a plataforma, que é a maior de locação e venda do mercado brasileiro, mais de um terço dos locatários decidiu trocar o IGP-M pelo IPCA desde 2020.

Embora os índices de inflação acumulem variações parecidas, o IGP-M registrou deflação nos últimos quatro meses, o que representou um recuo de 3% desde julho.

Enquanto isso, o IPCA teve uma janela menor de resultados negativos. A inflação ao consumidor ficou no vermelho entre julho e setembro, mas voltou a subir em outubro. A variação acumulada no período foi de 0,75%. Isso significa que, ao menos nos últimos meses, a troca do IGP-M pelo IPCA não foi tão vantajosa para quem é inquilino.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações