Guedes refaz estimativas e prevê que economia cresce 1,5% em 2019

Na Câmara, ministro afirmou que a situação fiscal do Brasil poderia se recuperar com rapidez, caso fossem realizadas as reformas necessárias

Pablo Valadares/Câmara dos DeputadosPablo Valadares/Câmara dos Deputados

atualizado 14/05/2019 15:29

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira (14/05/2019), que o governo trabalha com uma previsão de crescimento da economia brasilera de apenas 1,5% neste ano. A primeira estimativa da equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro (PSL) era de 2%.

“Temos uma economia que pode se recuperar com uma certa rapidez se fizermos as reformas que estão encomendadas. O crescimento, que era 2% quando eles [equipe econômica] fizeram as primeiras estimativas, já caiu para 1,5%”, explicou, durante audiência na Comissão Mista de Orçamento (CMO), na Câmara dos Deputados.

Essa é a primeira vez que Guedes recua na projeção de crescimento do país. A fim de tentar avançar no cenário para retirar o país da recessão, Guedes fez um apelo aos deputados: pediu que liberassem crédito suplementar para o governo.

Ou seja, o ministro pediu que o Congresso aprove o projeto de lei que permite ao Executivo federal tomar R$ 248 bilhões em empréstimos no mercado financeiro para pagar despesas correntes, como a Previdência, o Benefício de Prestação Continuada e o Bolsa Família.

“Estamos à beira de um abismo fiscal, precisamos de um crédito suplementar para pagar despesas correntes. Vamos nos endividar para isso”, disse o ministro.

O titular da pasta da Economia mostrou em plenário a previsão do déficit para os anos de 2020, 2021 e 2022, respectivamente R$ 124 bilhões, seguidos de R$ 68 bi e R$ 32 bi.

Situação fiscal correta
“Hoje, olhando para o futuro, nossa obrigação é trazer para os senhores a situação fiscal correta. Se houver as reformas, esses números vão mudar”, ressaltou o ministro.

Guedes voltou à Câmara quase uma semana depois de participar da audiência pública da Comissão Especial da Casa que analisa a reforma da Previdência.

A participação na CMO foi para comentar a questão fiscal do país, uma vez que os valores destinados ao orçamento do ano que vem serão decididos pelo Congresso.

Últimas notícias