Governo vai pagar seguro-desemprego a quem tiver salário reduzido

Informação foi divulgada pela equipe econômica durante coletiva de imprensa realizada na tarde desta quinta-feira (19/03)

atualizado 19/03/2020 18:00

VALDECIR GALOR/SMCS

O Ministério da Economia vai pagar uma parcela do seguro-desemprego a trabalhadores que tiverem o salário e a jornada reduzidos pelas empresas em decorrência da crise a respeito da pandemia do coronavírus.

O programa, chamado de “antidesemprego” será bancado pelos recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador, custará R$ 10 bilhões e atingirá 11 milhões de pessoas.

Os critérios específicos para o adiantamento do seguro-desemprego serão: receber até dois salários mínimos e ter a redução de salário e jornada, que pode ser de até 50%. Esse grupo poderá receber 25% do valor do benefício.

Na quarta-feira (18/03), o ministério anunciou a possibilidade de redução proporcional de salários e jornada de trabalho para empresários.

A medida faz parte do pacote que contemplará propostas enviadas ao Congresso Nacional por meio de uma medida provisória (MP), que tem validade imediata, ou de um projeto de lei – o modelo ainda está sendo definido.

A validade das mudanças segue o período do estado de calamidade pública, ou seja, até 31 de dezembro. O objetivo é reduzir os custos de empresários com a folha de pagamento durante a pandemia do novo coronavírus.

Últimas notícias