Governo federal indica seis nomes para conselho da Petrobras

No início deste mês, quatro conselheiros anunciaram que não pretendem ser reconduzidos, após queda de Castello Branco da presidência

atualizado 08/03/2021 9:33

Tânia Rêgo/Agência Brasil

A Petrobras informou, nesta segunda-feira (8/3), ter recebido ofícios dos ministérios de Minas e Energia e da Economia com seis indicações ao Conselho de Administração da companhia.

Entre os nomes sugeridos, está o atual diretor-geral da Itaipu Binacional, o general Joaquim Silva e Luna, indicado para a presidência da Petrobras após a destituição de Roberto Castello Branco promovida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

0

Os outros cinco nomes indicados ao conselho são: o almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira; o engenheiro da Marinha Ruy Flaks Schneider; o engenheiro civil Márcio Andrade Weber; o geólogo Murilo Marroquim de Souza; e a empresária Sonia Julia Sulzbeck Villalobos.

Atual presidente do conselho, Eduardo Leal Ferreira foi indicado novamente ao cargo. Ele é almirante de Esquadra da Reserva e foi comandante da Marinha do Brasil até janeiro de 2019.

Acionista majoritária da Petrobras, a União ainda pode realizar mais duas indicações de membros ao Conselho de Administração.

Saídas

No início deste mês, quatro conselheiros – João Cox Neto, Nivio Ziviani, Paulo Cesar de Souza e Silva e Omar Carneiro da Cunha Sobrinho – informaram à Petrobras que não pretendem ser reconduzidos ao colegiado.

Em Fato Relevante, a companhia informou que Cox Neto e Ziviani alegaram razões pessoais para a decisão. Já Souza e Silva declarou ter tomado a decisão após o mandato dele ser “interrompido inesperadamente”.

Já a mensagem de Omar Carneiro da Cunha revela insatisfação com a decisão de Jair Bolsonaro de promover uma troca no comando da estatal, com a indicação de Joaquim Silva e Luna para o lugar de Roberto Castello Branco.

“Em virtude dos recentes acontecimentos relacionados às alterações na alta administração da Petrobras, e os posicionamentos externados pelo representante maior do acionista controlador da mesma, não me sinto na posição de aceitar a recondução de meu nome como Conselheiro desta renomada empresa”, disse Cunha.

Últimas notícias