metropoles.com

Boletim Focus traz expectativa de inflação em 5,61% após eleição

Inflação, PIB, dólar e Selic se mantiveram inalterados no Focus, enquanto novo governo não dá direções sobre o futuro da condução econômica

atualizado

Compartilhar notícia

Felipe Menezes/Metrópoles
Parte externa do banco central - Metrópoles
1 de 1 Parte externa do banco central - Metrópoles - Foto: Felipe Menezes/Metrópoles

O Boletim Focus desta segunda-feira (31/10) travou a estimativa de queda para a inflação deste ano pela primeira vez, após longo ciclo de alta. Em 2022, a previsão saiu de 5,60% para 5,61%, conforme a análise semanal. A projeção consta no relatório elaborado pelo Banco Central (BC), que ouve semanalmente agentes financeiros e colhe impressões sobre os principais indicadores econômicos.

A previsão da inflação oficial do país em 2023 também ficou estacionada em 4,94%. O mesmo acontece para 2024, travada em 3,50%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

9 imagens
Em outras palavras, se há  aumento da inflação, o dinheiro passa a valer menos. A principal consequência é a perda do poder de compra ao longo do tempo, com o aumento dos preços das mercadorias e a desvalorização da moeda
Existem várias formas de medir a inflação, contudo, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é o mais comum deles
No Brasil, quem realiza a previsão da inflação e comunica a situação dela é o Banco Central. No entanto, para garantir a idoneidade das informações, a pesquisa dos preços de produtos, serviços e o cálculo é realizado pelo IBGE, que faz monitoramento nas principais regiões brasileiras
De uma forma geral, a inflação pode apresentar causas de curto a longo prazo, uma vez que tem variações cíclicas e que também pode ser determinada por consequências externas
No entanto, o que influencia diretamente a inflação é: o aumento da demanda; aumento ou pressão nos custos de produção (oferta e demanda); inércia inflacionária e expectativas de inflação; e aumento de emissão de moeda
1 de 9

Inflação é o termo da economia utilizado para indicar o aumento generalizado ou contínuo dos preços de produtos ou serviços. Com isso, a inflação representa o aumento do custo de vida e a consequente redução no poder de compra da moeda de um país

KTSDESIGN/SCIENCE PHOTO LIBRARY / Getty Images
2 de 9

Em outras palavras, se há aumento da inflação, o dinheiro passa a valer menos. A principal consequência é a perda do poder de compra ao longo do tempo, com o aumento dos preços das mercadorias e a desvalorização da moeda

Olga Shumytskaya/ Getty Images
3 de 9

Existem várias formas de medir a inflação, contudo, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é o mais comum deles

Javier Ghersi/ Getty Images
4 de 9

No Brasil, quem realiza a previsão da inflação e comunica a situação dela é o Banco Central. No entanto, para garantir a idoneidade das informações, a pesquisa dos preços de produtos, serviços e o cálculo é realizado pelo IBGE, que faz monitoramento nas principais regiões brasileiras

boonchai wedmakawand/ Getty Images
5 de 9

De uma forma geral, a inflação pode apresentar causas de curto a longo prazo, uma vez que tem variações cíclicas e que também pode ser determinada por consequências externas

Eoneren/ Getty Images
6 de 9

No entanto, o que influencia diretamente a inflação é: o aumento da demanda; aumento ou pressão nos custos de produção (oferta e demanda); inércia inflacionária e expectativas de inflação; e aumento de emissão de moeda

selimaksan/ Getty Images
7 de 9

No bolso do consumidor, a inflação é sentida de formas diferentes, já que ela não costuma agir de maneira uniforme e alguns serviços aumentam bem mais do que outros

Adam Gault/ Getty Images
8 de 9

Isso pode ser explicado pela forma de consumo dos brasileiros. Famílias que possuem uma renda menor são afetadas, principalmente, por aumento no preço de transporte e alimento. Por outro lado, alterações nas áreas de educação e vestuário são mais sentidas por famílias mais ricas

Javier Zayas Photography/ Getty Images
9 de 9

Ao contrário do que parece, a inflação não é de todo mal. Quando controlada, é sinal de que a economia está bem e crescendo da forma esperada. No Brasil, por exemplo, temos uma meta anual de inflação para garantir que os preços fiquem controlados. O que não pode deixar, na verdade, é chegar na hiperinflação - quando o controle de todos os preços é perdido

coldsnowstormv/ Getty Images

Este é o boletim após a semana da decisão do segundo turno das eleições, que deu a vitória a Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sobre Jair Bolsonaro (PL). O mercado espera alguma definição sobre a agenda econômica do petista e a indicação de quem será seu ministro da Fazenda.

Como noticiou o Metrópoles, a carta aos brasileiros divulgada por Lula na última semana frustrou a Faria Lima devido à falta de clareza sobre as metas fiscais do novo governo.

O Focus também avalia as contínuas quedas no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial. Na última divulgação, em (11/10), houve recuo de 0,29% em setembro, sendo o terceiro mês de deflação.

De acordo com o índice, a inflação acumulada no ano é de 4,09% e, nos últimos 12 meses, de 7,17%. A inflação gera impacto no bolso da população. Quanto maior o índice, menor o poder de compra dos brasileiros.

Focus: PIB, dólar e juros

A projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) – soma das riquezas produzidas pelo país – de 2022 ficou em 2,76% nesta semana. Em relação a 2023, a previsão também estacionou em 0,64%. 

O Focus manteve as expectativas de crescimento da economia para o ano de 2024 em 1,80%. Em 2025, também houve a manutenção em 2%.

O mercado também espera que a moeda norte-americana fique cotada a R$ 5,20 tanto neste ano quanto no próximo, as mesmas projeções há semanas. A moeda deverá oscilar entre 2024 e 2025, cotada entre R$ 5,10 e 5,15, respectivamente.

Sobre a taxa básica de juros, a previsão é que a Selic se mantenha em 13,75%, atual taxa estipulada pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Os juros devem ser reduzidos em 2024, para 11,25%, e permanecer em ritmo de queda em 2024 (8%) e 2025 (7,75%).

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?