Desemprego chega a 12% e atinge 12,7 milhões de pessoas, diz IBGE

Levantamento mostra que os setores mais impactados são a iniciativa privada sem carteira de trabalho assinada e o serviço público

VALDECIR GALOR/SMCSVALDECIR GALOR/SMCS

atualizado 27/02/2019 12:26

O Brasil tem hoje 12% de desempregados, o que representa 12,7 milhões de pessoas. Somente no trimestre terminado em janeiro, mais 318 mil ficaram desocupadas – uma alta de 2,6% em relação ao período encerrado em outubro. Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta quarta-feira (27/2) indicam um desaquecimento da economia.

A taxa deste ano é a terceira maior em sete anos. O índice fica abaixo do registrado em 2017 (12,6%) e em 2018 (12,2%). Nesse recorte, o número de desempregados já caiu a 6,4%, no trimestre encerrado em janeiro de 2014.

De acordo com a supervisora de Disseminação de Informações, do IBGE, Michella Reis, o número pode ser explicado pela sazonalidade dos empregos temporários. “Passados o Natal e as festas de fim de ano, muitos trabalhadores são liberados”, explica.

O IBGE informou que os setores mais impactados são a iniciativa privada sem carteira de trabalho assinada e o serviço público. Nesse aspecto, acrescenta Michella, existem dois panoramas distintos.

“No primeiro caso, o empresário ou empregador fechou seu negócio ou precisou dispensar funcionários para reduzir custos. No funcionalismo público, a troca de governo, a demissão de comissionados e a reestruturação proposta pela nova gestão, com redução de gastos e diminuição de custos, explica a tendência. Além disso, o número pode ser impactado por aposentadorias”, completa.

Na economia, desemprego é reflexo de desaquecimento. Com menos contratações, há menos pessoas com poder de compra e economicamente ativas. Contudo, Michella destaca que ainda é cedo para apontar um recuo no setor. “O aumento não foi tão expressivo. É preciso esperar”, conclui.

O levantamento do IBGE mostra que o número de pessoas ocupadas aumentou 0,9%, em relação ao mesmo período do ano anterior. O mercado de trabalho ganhou mais de 840 mil pessoas e atingiu 92,5 milhões.

Simar Azeredo, coordenador de trabalho e rendimento do IBGE, considera os índices desanimadores para o mercado. “A pesquisa mostra uma entrada de ano complicada, com queda na indústria, na agricultura e no setor de construção. É um dado bastante desanimador em termos de mercado de geração de postos de trabalho e de qualidade do emprego”, pondera.

Os números do desemprego

12,7 milhões
Total de desempregados no país no último trimestre.

318 mil
Número de trabalhadores que perderam o emprego no período.

27,5 milhões
É a população subutilizada no Brasil.

4,7 milhões
Parcela da população desalentada, que é quando a pessoa desiste de procurar emprego.

Últimas notícias