Combustível e passagem de avião: veja o que fez IPCA recuar em agosto

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo apontou uma deflação de 0,36% no mês de agosto. Índice é o menor para o mês desde 1998

atualizado 09/09/2022 11:57

homem com magueira de bomba de gasolina na mão. a mangueira é preta com vermelho Gustavo Moreno/Metrópoles

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apontou, na segunda queda consecutiva, deflação de 0,36% no mês de agosto. O resultado, que indica a maior queda do índice para o mês em 24 anos, foi impulsionado pelo setor de transportes, em especial, o recuo nos preços dos combustíveis.

As variações negativas destes itens refletem a redução nos preços praticados nas refinarias da Petrobras e também a redução das alíquotas de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), aplicada a partir da Lei Complementar nº 194, de 2022, sancionada no fim de junho.

Em agosto, os preços dos quatro combustíveis pesquisados caíram. O preço da gasolina nas refinarias, naquele mês, foi reduzido em R$ 0,18/litro. Os valores das passagens aéreas também diminuíram 12,07%, após quatro meses de altas.

De acordo com o IBGE, o preço da gasolina teve queda com impacto mais intenso, de 11,64%. Além dele, o valor do gás veicular caiu 2,12%; do óleo diesel 3,76%; e do etanol 8,67%.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, dois apresentaram deflação em julho, enquanto os outros sete tiveram alta de preços. O resultado do mês foi influenciado principalmente pelos custos dos grupos transportes (-3,37 %) e comunicação (-1,10%).

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
0

Houve também variação negativa no grupo Comunicação (-1,10%). Isso se deve especialmente à redução nos planos de telefonia fixa (-6,71%) e de telefonia móvel (-2,67%). Já em Saúde e cuidados pessoais (1,31%), os destaques foram os itens de higiene pessoal (2,71%) e do plano de saúde (1,13%). Nesse último caso, aconteceu a incorporação da fração mensal referente ao reajuste de 15,50% autorizado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar aos planos novos.

Veja a inflação de julho para cada um dos grupos pesquisados:

  • Alimentação e bebidas: 0,24%
  • Habitação: 0,10%
  • Artigos de residência: 0,42%
  • Vestuário: 1,69%
  • Transportes: -3,37 %
  • Saúde e cuidados pessoais: 1,31%
  • Despesas pessoais: 0,54%
  • Educação: 0,61%
  • Comunicação: -1,10%

Mais lidas
Últimas notícias