Brasileiro paga média de R$ 715 por ano em taxa de banco e cartão

Pesquisa revela que, no ano passado, clientes pagaram, em média, R$ 31 a cada mês para manter contas bancárias

Michael Melo/MetrópolesMichael Melo/Metrópoles

atualizado 27/01/2020 23:16

Um valor elevado pode ter escapado pelos dedos de muitos brasileiros no ano passado somente com tarifas bancárias, como a anuidade do cartão de crédito e a “mensalidade” da conta corrente.

Em média, as pessoas pagaram R$ 375,97 para manter a conta corrente ativa, o que equivale a cerca de R$ 31 por mês.

Com a anuidade do cartão de crédito, por sua vez, a despesa média dos usuários ficou em R$ 339,34 por ano (aproximadamente R$ 28 por mês).

Os números são de pesquisa do Guiabolso, aplicativo de gestão financeira. Foram analisados os ganhos e gastos de 151 mil usuários do país.

O relatório destaca, ainda, o valor pago em taxas de transferência de valores (TED ou DOC – média de R$ 159) e tarifas para saques (R$ 35) e extratos (R$ 6).

Mas foram os valores gastos pelos brasileiros com tarifas do cartão de crédito e com a manutenção da conta corrente que chamaram atenção do diretor de produto e tecnologia do Guiabolso, Julio Duram.

“Só nesses dois serviços, já seriam R$ 715, um valor considerável”, aponta.

Para usar de forma consciente
Especialistas apontam que nem sempre esses serviços são dispensáveis, mas é preciso analisar caso a caso. É preciso sempre avaliar as opções do mercado financeiro.

Para reduzir os gastos com tarifas, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) recomenda que os clientes observem se o pacote de serviços contratado é o mais adequado para o perfil deles.

“Desta forma, é possível evitar a contração de um pacote mais caro, com itens que a pessoa não usa. Ou a contratação de um pacote que não atenda suas necessidades, o que os levaria a gastar mais com o pagamento de itens avulsos, como DOCs e TEDs”, explica, em nota.

No caso da conta corrente, por exemplo, é fundamental que o cliente se conheça em termos de gastos e de que serviços bancários vai precisar ao longo dos 30 dias, explica Duram.

“Se ele faz muitas transferências ao longo do mês ou precisa fazer muitos saques de dinheiro, retirada de extratos e folhas de cheque, talvez valha a pena contratar uma cesta de serviços oferecida pelo banco”, diz o especialista ao Metrópoles.

Com o cartão de crédito, a mentalidade precisa ser semelhante. Nesse caso, talvez seja rentável pagar a anuidade, mas trocar com passagens aéreas ou mesmo pegar o dinheiro de volta (cashback), de acordo com a oferta de cada instituição financeira.

“A partir do momento em que a compensação vinda do benefício recebido for superior ao valor que ele paga pela tarifa, passa a ser interessante arcar com essa despesa”, complementa.

O site da Febraban disponibiliza também um sistema que permite aos clientes fazer consultas, pesquisas e comparações das tarifas de produtos e serviços cobradas pelos bancos. Acesse aqui.

Entenda a pesquisa
Autorizadas pelo Banco Central (BC), as tarifas bancárias funcionam como uma remuneração pelos serviços prestados a clientes pelos bancos.

Quando o banco libera um cartão de crédito para um cliente, por exemplo, o BC autoriza a cobrança dessa taxa (nesse caso chamada de anuidade) para o uso do cartão.

Por outro lado, hoje não existe tarifa para manutenção de conta corrente. O valor mostrado na pesquisa é o gasto médio com os pacotes de manutenção da conta, que variam de banco a banco.

Os números foram levantados pelo Guiabolso com base na observação do comportamento dos usuários do aplicativo.

“Tendo todas essas informações em mãos, é possível, literalmente, verificar quanto a pessoa pagou de tarifas, anuidades e manutenção da conta”, explica o aplicativo, em nota.

Últimas notícias