metropoles.com

Bolsonaro assina projeto de lei que dá autonomia ao Banco Central

O decreto foi apresentado em solenidade que marca os 100 primeiros dias de governo, realizada nesta quinta-feira (11/4)

atualizado

Compartilhar notícia

Felipe Menezes/Metrópoles
bc
1 de 1 bc - Foto: Felipe Menezes/Metrópoles

Promessa de campanha e meta para os 100 primeiros dias de governo, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinou o projeto de lei que propõe a autonomia do Banco Central. A medida, um desejo antigo do mercado financeiro, traria, em tese, mais estabilidade para a economia e aumentaria o crescimento a longo prazo.

Durante a cerimônia, no Palácio do Planalto, Bolsonaro não explicou os detalhes do texto que será enviado ao Congresso nos próximos dias. Já o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, adiantou alguns pontos da proposta do governo.

Entre as medidas, o texto prevê mandato de quatro anos para o presidente do Banco Central, não coincidente com o mandato do presidente da República. A gestão poderá ser prorrogada por mais quatro anos.

A proposta de autonomia amplia o poder da autoridade monetária sobre a legislação do setor e na fiscalização do sistema financeiro. Na teoria, a autonomia barra a possibilidade de interferência política nas decisões do banco.

Uma das principais mudanças é a perda de condição de ministro. Contudo, segundo Onyx, o  presidente da instituição terá “proteção jurídica” para referendar as ações. “A independência do Banco Central é uma ferramenta importante, usada pelas principais nações do mundo para dar tranquilidade ao setor, que mexe com a vida de todos nós”, destacou.

Atualmente, tramita no Congresso uma proposta semelhante, apresentada pelo presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Onyx disse que o governo enviará seu próprio projeto para evitar vício de origem, mas se inspirou no texto de Maia durante a fase de elaboração.

A Constituição Federal determina que a independência da autoridade monetária deve ser proposta pelo presidente da República. O projeto de Maia está em estágio avançado e já pode ser colocado em votação.

Inicialmente, o objetivo do governo é “apensar” as propostas e fazer com que os projetos tramitem em conjunto. O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, enviou sugestões para o texto, um projeto de lei complementar a ser aprovado na Câmara e no Senado.

Se a proposta for aprovada, Campos Neto só poderia ser exonerado a pedido, em caso de condenação transitada em julgado ou por decisão do colegiado do banco. Atualmente, a instituição é vinculada ao Ministério da Economia, regra que também deixaria de existir.

Ao participar de reuniões do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Nova York, o presidente do Banco Central afirmou na última quarta-feira (10/4) que a medida ajudará a reduzir o risco-país, espécie de indicador para orientar investidores estrangeiros sobre a estabilidade econômica do país.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?