Deputado é investigado após dizer que vereadora “merecia tiro na cara”

Em discurso na tribuna da Alego, deputado afirmou que a vereadora "merecia um tiro na cara"; a parlamentar se diz apavorada com a situação

atualizado 10/08/2021 20:55

goias deputado ameaça vereadoraReprodução

Goiânia – A Polícia Civil de Goiás (PCGO) decidiu investigar o deputado estadual Amauri Ribeiro (Patriota), que disse que a vereadora pela capital goiana, Luciula do Recanto (PSD) “merecia um tiro na cara”. A parlamentar registrou boletim policial contra o deputado nesta terça-feira (10/8).

O discurso de Amauri  contra a vereadora foi feito na última quinta-feira (5/8) na tribuna da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), enquanto defendia o direito à propriedade privada.

“Eu fico puto quando vejo uma vereadora, igual essa aí de Goiânia que se diz protetora de animais, arrebenta o portão da casa de um cidadão, sem mandado, sem ordem judicial, porque ela também não é polícia, nem com ordem ela podia, e invade uma casa. Para mim, merecia um tiro na cara. Quem invade o que não é seu, não merece nem viver”, disse Amauri.

Veja o vídeo:

 

A fala contra a vereadora retomada pelo parlamentar se refere a uma ação de maio desse ano, quando ela acionou a Guarda Metropolitana e a Agência Municipal de Meio Ambiente, em denúncia contra uma rinha de galo, em Goiânia, após constatação dos maus-tratos.

Sem arrependimento

Em entrevista à TV Anhanguera, o deputado Amauri Ribeiro garante que não se arrepende da declaração e não está preocupado com a Comissão de Ética da Alego.

“A vereadora vai responder na Justiça pelo que ela fez a esse cidadão de bem em seu ato ilegal. Sumiram mais de 50 curiós, as gaiolas, inclusive, orquídeas. Ela vai responder, inclusive, pela prisão de uma menor de 17 anos que saiu de lá algemada”, afirmou o parlamentar.

No entanto, a vereadora diz que as falas do deputado são “mentirosas” e “deturpadas”. “A menor não saiu de lá algemada em momento nenhum. O deputado pegou as informações, deturpou e mentiu”, afirmou Luciula.

À época, a Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma) autuou e multou o responsável pelos animais, pelo crime de maus-tratos, em R$ 20 mil.

0
“Medo de morrer”

“Senti revolta e muito medo de morrer”, disse a vereadora Luciula do Recanto após a fala do deputado Amauri Ribeiro. Ao Metrópoles ela relatou estar apavorada com a situação. “Não é de hoje que sofro ameaças de morte, já passei algumas situações difíceis, até pela causa em que atuo. Não é fácil, mas jamais imaginei isso. Estou apavorada e em pânico, ele colocou claramente a vida de uma mulher, uma parlamentar, em risco, porque foi uma ameaça. Ele disse que eu merecia um tiro na cara e merecia estar morta. Isso não é papel de um legislador”, disse ela.

“A partir do momento em que ele subiu na tribuna, como deputado estadual, e a usou para fazer apologia ao crime de homicídio, de ódio, ele desvirtuou tudo o que a tribuna pode beneficiar para a comunidade. Realmente, eu fiquei muito indignada. Ninguém faz isso de graça. Desde que fui fiel depositária dos galos em questão, estou recebendo ameaças. Mas ele distorce as verdades. Já tinha recebido ameaças de outras dessas pessoas, mas não dessa forma, isso fere a honra da gente, o emocional e, inclusive, me priva de exercer o pleno poder que me foi instituído pela lei para legislar como vereadora pelo município de Goiânia”, continuou.

Ainda de acordo com Luciula, houve machismo nas declarações. “Fico muito triste em saber que temos homens no poder que se acham verdadeiros coronéis, ele deveria ser mais gentil e exercer seu mandato com sabedoria, mas, em vez disso, ele usa dessa condição para ameaçar a integridade física, psicológica e moral de mulheres”, completou.

Repúdio e quebra de decoro

O presidente da Comissão de Ética da Alego, Gustavo Sebba (PSDB), declarou que o conselho da Casa deve analisar se houve quebra de decoro parlamentar em relação à fala de Amauri Ribeiro. Segundo Sebba, a Mesa Diretora terá 15 dias para analisar e acatar ou não, e outros 15 dias para analisar a defesa do parlamentar.

Já para a Mesa Diretora da Câmara Municipal de Goiânia, as afirmações do deputado foram “intimidatórias” e “em tom de ameaça”. Em nota, foi comunicada a adoção de medidas legais para defender e preservar o livre direito de atuação, manifestação e expressão da vereadora e dos demais 34 vereadores da capital.

Veja a nota na íntegra:

A Câmara Municipal de Goiânia lamenta e repudia profundamente as declarações intimidatórias, em tom de ameaça, do deputado estadual Amauri Ribeiro dirigidas à vereadora Luciula do Recanto durante pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa.

A Mesa Diretora determinou nesta sexta-feira (6/8) à Procuradoria Geral a adoção das medidas legais cabíveis em defesa da honra e do livre direito de atuação, manifestação e expressão da vereadora e dos demais 34 vereadores que compõem o Plenário do Poder Legislativo da Capital.

Goiânia (GO), 6 de agosto de 2021
Mesa Diretora da Câmara Municipal de Goiânia

Últimas notícias