Crise à vista: 25% das bacias de hidrelétricas estão com nível abaixo de 30%

Circunstância pode levar a apagões. Governo teme agravamento. Temporada chuvosa acabou. Subsistema Sudeste/Centro-Oeste mostra pior situação

atualizado 13/05/2021 9:34

falta de energia em amapaHugo Barreto/Metrópoles

A falta de chuvas tem causado desabastecimento dos reservatórios das hidrelétricas. O baixo nível das bacias pode levar a uma situação de estresse elétrico e até mesmo a apagões.

Para se ter dimensão da escassez de água nas bacias das usinas, um quarto dos reservatórios das hidrelétricas está com nível abaixo de 30%. Dez dos 39 reservatórios estão no limite da reserva.

Há casos extremos, em que os reservatórios têm níveis entre 7% e 9% da capacidade total (veja cenários ainda mais críticos na lista abaixo). Os dados fazem parte de análise do Metrópoles, baseada em informações do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Abril marca o fim do período de transição entre as estações úmida e seca nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN). Com chuvas abaixo da média, aumentou a preocupação com o que pode ocorrer nos próximos meses.

O problema é que os reservatórios estão com capacidade baixa, e vem longa estiagem pela frente. No período tradicionalmente marcado por mais precipitações, entre novembro e o fim de março, as chuvas registradas foram as piores em 20 anos.

Veja nível dos reservatórios com % mais baixas:

  • Reservatório Marimbondo (SP/MG) – 7,07%
  • Reservatório Água Vermelha (SP/MG) – 9,4%
  • Reservatório São Simão (GO) – 16%
  • Reservatório Nova Ponte (MG) – 16,9%
  • Reservatório Chavantes (SP) – 18,2%

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou durante conversa com apoiadores, na segunda-feira (10/5), que o país tem “um problema sério pela frente” ao se referir à crise hidrológica.

“Nós estamos com um problema sério pela frente. Estamos vivendo a maior crise hidrológica da história. A gente vai ter dor de cabeça. Não chove”, destacou.

Em abril, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou que a conta de luz terá bandeira vermelha 1 no mês de maio. Na prática, isso significa que será cobrada taxa adicional mais alta, de R$ 4,169 para cada 100 kWh.

O balanço hidrológico do período 2020-2021 produzido pela Aneel registrou o pior aporte hidráulico da história.

Desde janeiro, a situação melhorou, mas está longe de ser confortável. À época, um terço dos reservatórios monitorados pelo ONS estava com menos de 20% da capacidade total. Ao todo, 12 dos 39 principais reservatórios apresentavam volume baixíssimo.

Internamente o governo procura alternativas para atenuar a crise. O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), grupo formado por integrantes do Ministério de Minas e Energia, Aneel e ONS, entre outros, aprovou maior acionamento de térmicas e importações de energia da Argentina e do Uruguai para suprir as necessidades do país.

Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e consultor do Ministério de Minas e Energia durante a reforma do setor elétrico, Adilson de Oliveira explica que o governo precisa tomar “decisões urgentes”, como criação de térmicas.

“O país está refém da chuva, e os especialistas da meteorologia já alertaram que não vai chover. Vamos ter um problema que não sabemos a dimensão ainda. Não adianta só aumentar o preço. Não terá o produto”, alerta o professor.

O docente critica a gestão que está sendo feita para solucionar o impasse. “Importar já estávamos importando antes. O grosso da seca está no Sul e no Sudeste do Brasil, e está chegando à Argentina. Temos que criar capacidade de geração hoje, mas isso geraria tarifaço. Temos gás natural na costa brasileira, mas não temos gasoduto para levar para a térmica. Podemos usar diesel, mas já importamos, e nossas refinarias não têm capacidade”, pondera.

Estiagem

De acordo com a medição do ONS, a situação mais crítica está em São Paulo, Minas Gerais e Goiás. Cinco dos 10 reservatórios com os níveis mais baixos se encontram nesses estados.

A situação mais grave, segundo dados do ONS, é no subsistema Sudeste/Centro-Oeste, responsável pela geração de cerca de 70% da energia consumida no Brasil. O nível dos reservatórios está em 33,6% da capacidade total.

Em janeiro, o índice chegou a 19,6%, mas não se recuperou totalmente. A previsão do ONS é que em outubro esse marcador atinja 20% novamente.

Versão oficial

Em nota, o Ministério de Minas e Energia afirmou que a crise preocupa e que tem tomado medidas para atenuar o problema. Um dos exemplos é a criação de novas termelétricas.

“O período de setembro de 2020 a abril de 2021 foi caracterizado pelo menor volume histórico de água nos reservatórios das hidrelétricas da região Sudeste e Centro-Oeste, que representam 70% da capacidade de armazenamento do País. Ou seja, a maior crise hidrológica dos últimos 91 anos”, frisa o texto.

A pasta completa. “Apesar da redução da participação das hidrelétricas na nossa matriz elétrica, com a crescente participação de outras fontes, como eólica e solar, o Brasil ainda é dependente das chuvas para geração de energia”, destaca.

Também em nota, o ONS afirmou que foi autorizado a ampliar as medidas excepcionais e a acionar as térmicas, sem limitação de montantes e preços, para manter o Sistema Interligado Nacional (SIN) equilibrado.

“A situação requer atenção, já que estamos atravessando um período hidrológico desfavorável, mas o importante, neste momento, é garantir que estamos realizando todas as ações necessárias para operar o sistema com segurança e de forma a atender a demanda elétrica do país”, salienta.

Últimas notícias