Covid: Queiroga anuncia dose de reforço para pessoas com 60 anos ou mais

Ministro da Saúde afirma que 7 milhões de indivíduos integram o grupo. Até então, o reforço era recomendado para quem tem 70 anos ou mais

atualizado 28/09/2021 13:35

Ministro Marcelo Queiroga fala suspensao da vacina da Pfizer para adolescentes em coletiva de imprensa no ministério da saúde 4Igo Estrela/Metrópoles

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou, nesta terça-feira (28/9), que a pasta recomendará a aplicação da dose de reforço contra a Covid-19 em idosos de 60 anos ou mais.

Até então, o Ministério da Saúde orientava a administração do reforço em imunossuprimidos e em idosos de 70 anos ou mais.

Agora, a vacina poderá ser aplicada em pessoas que têm a partir de 60 anos e que tomaram a segunda dose há mais de seis meses. De acordo com Queiroga, este público-alvo é formado por 7 milhões de brasileiros.

A partir das próximas remessas de vacinas distribuídas aos estados e municípios, serão enviadas doses de reforço para quem tem 60 anos ou mais e para profissionais da saúde. Este segundo grupo já havia sido anunciado por Queiroga como alvo da nova etapa da campanha.

O anúncio desta terça foi feito em um evento realizado na Paraíba, entre as cerimônias em comemoração aos mil dias de gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O ministro da Saúde gravou um vídeo em Nova York, onde cumpre quarentena, e as imagens foram transmitidas durante a celebração.

“Além dos idosos de 70 anos, os profissionais de saúde, que já foram anunciados como contemplados com o reforço, agora, o Ministério da Saúde, vai atender aqueles com mais de 60 anos. São cerca de 7 milhões de brasileiros nessa condição”, disse o cardiologista.

Pfizer

Na segunda-feira, o ministro da Saúde substituto, Rodrigo Cruz, informou que a vacina utilizada para a dose de reforço desses grupos será a da Pfizer. No último trimestre do ano, o Ministério da Saúde espera receber doses do imunizante da Janssen.

Após chegarem ao país, as unidades também serão utilizadas para a dose adicional. O governo federal tem contrato para aquisição de 38 milhões de doses da vacina desse laboratório.

0

“A gente ainda não recebeu o cronograma da Janssen, devemos receber nesta semana. As primeiras entregas começam em outubro. Outubro, novembro, dezembro. Hoje, o que temos disponível para a dose de reforço são as vacinas da Pfizer, são essas que a gente vai disponibilizar. Tão logo a gente tenha um cronograma de entrega da Janssen, elas poderão ser utilizadas também com essa finalidade”, explicou.

Dados do Ministério da Saúde mostram que, até segunda-feira (27/9), o país havia aplicado 639.118 doses de reforço.

Últimas notícias