Covid: Fiocruz alerta para alta de casos da subvariante BA.2 no país

Segundo a fundação, no mês de março, 3,4% dos genomas avaliados pela rede foram da BA.2, subvariante da cepa Ômicron

atualizado 08/04/2022 19:13

variante delta sao paulo - CoronavirusFábio Vieira/Metrópoles

Dados da Rede Genômica da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgados nesta sexta-feira (8/4), apontam um aumento nos casos da subvariante BA.2 da cepa Ômicron no Brasil.

Segundo a fundação, no mês de março, 3,4% dos genomas avaliados pela rede foram da mutação BA.2. Em fevereiro, a porcentagem era de 1,1%. Os dados divulgados nesta sexta correspondem ao período de 18 a 31 de março.

De acordo com a Fiocruz, a rede já identificou 19.555 genomas da linhagem original da Ômicron, BA.1. Também foram registrados 4.290 genomas da subvariante BA.1.1 e 151 da BA.2.

A Rede Genômica também apontou que a região Norte do país teve um crescimento retardado da variante Ômicron. Agora, a mutação domina o cenário epidemiológico do Brasil.

“De acordo com as informações compiladas pela Rede, a variante Ômicron substituiu completamente a Delta no país e observa-se uma tendência de aumento da frequência de BA.2, fato também anteriormente verificado nos Estados Unidos e em alguns países da Europa”, consta no comunicado publicado pela rede.

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

“Mais transmissível”

Dados divulgados em fevereiro mostram evidências de que a subvariante da Ômicron BA.2 é mais infecciosa do que a BA.1, cepa original encontrada na África do Sul, mas não há sinais de maior gravidade.

Durante um briefing virtual, a diretora técnica da Organização Mundial da Saúde (OMS), Maria Van Kerkhove, destacou que vários estudos mostraram uma “vantagem de crescimento” de 63% para a subvariante em relação à Ômicron, o que explica a transmissibilidade e o escape de vacinas.

Mais lidas
Últimas notícias