Covid: Brasil chega a 100 milhões de pessoas completamente vacinadas

O índice corresponde a 62,5% dos brasileiros maiores de 18 anos. Em relação à primeira dose, já foram imunizados 93,7% do público-alvo

atualizado 13/10/2021 17:51

DF começa a imunizar jovens de 12 anos e reforça vacina de idosos de 80 anosHugo Barreto/Metrópoles

O Ministério da Saúde anunciou, nesta quarta-feira (13/10), que o país ultrapassou a marca de 100 milhões de brasileiros maiores de 18 anos vacinados contra a Covid-19. O número indica que 62,5% do público-alvo receberam as duas doses da vacina ou o imunizante de aplicação única.

Em relação à primeira dose, foram vacinados 93,7% do público-alvo. A pasta federal também continua com a aplicação da dose de reforço na população: mais de 2,4 milhões já receberam a D3.

Doses distribuídas

Até o momento, foram distribuídas mais de 300 milhões de doses de vacina Covid-19 para todo o país. Para os próximos dias, a pasta federal prevê a chegada de mais 51,5 milhões de unidades do fármaco – 15,3 milhões da AstraZeneca e 36,1 milhões da Pfizer.

“Caminhamos muito desde o início da campanha de vacinação, mas precisamos avançar ainda mais. Por isso, convido a todos os brasileiros que ainda não tomaram a segunda dose da vacina que voltem ao posto de vacinação para completar o esquema vacinal. Só vacinados venceremos o vírus e voltaremos ao nosso normal”, afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse, em entrevista à Jovem Pan, que decidiu não se vacinar contra a Covid-19. O chefe do Executivo nacional pode tomar o imunizante desde abril deste ano. Em diversas vezes, o mandatário afirmou que receberia a proteção contra o coronavírus, que ceifou a vida de mais de 600 mil pessoas no Brasil, assim que o último brasileiro fosse vacinado.

“Eu decidi não tomar mais a vacina. Eu estou vendo novos estudos. A minha imunização está lá em cima, para que vou tomar a vacina? Seria a mesma coisa que você jogar R$ 10 na loteria para ganhar R$ 2. Não tem cabimento isso”, declarou.

Como justificativa, Bolsonaro citou a liberdade. “Para mim, a liberdade acima de tudo. Se o cidadão não quer tomar a vacina, é um direito dele e ponto-final”, assinalou, durante o programa Pingos nos Is, na noite de terça-feira (12/10).

Últimas notícias