Correios paralisam serviços devido à greve de caminhoneiros

A instituição anunciou que irá reforçar as operações quando os trabalhadores voltarem ao trabalho

atualizado 23/05/2018 10:46

Tânia Rêgo/Agência Brasil

Devido a paralisação de caminhoneiros em represália às sucessivas altas no preço dos combustíveis, iniciada na segunda-feira (21/5), o serviço dos Correios foi afetado. Por meio de nota, a empresa afirmou que os pedidos com dia e hora marcados (Sedex 10, 12 e Hoje) ficarão suspensos até segunda ordem. As informações dão do jornal O Globo.

Outros serviços, como cartas comuns, PAC e Sedex, continuam funcionando, mas com maior prazo de entrega. A normalização só acontecerá quando finalizarem os protestos. A instituição afirmou reforçar as operações quando os caminhoneiros voltarem ao trabalho, no intuito de acelerar a regularização das entregas.

De acordo com os Correios, 25 milhões de encomendas são entregues em todo o país diariamente. Estas entregas são feitas através de 25 mil veículos (caminhões e aviões).

Paralisações
Na última sexta (18/5), diferentes entidades, como a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) e a Associação Brasileira de Caminhoneiros (ABCam) aprovaram paralisação das atividades, com a realização de manifestações para a redução do preço do diesel.

“O aumento constante do preço nas refinarias e dos impostos que recaem sobre o óleo diesel tornou a situação insustentável para o transportador autônomo”, disse a ABCam em nota. Segundo a associação, o diesel representa 42% dos custos do negócio. A entidade reivindica isenção de tributos referente ao insumo.

“Além da correção quase diária dos preços dos combustíveis realizada pela Petrobras, que dificulta a previsão dos custos por parte do transportador, os tributos PIS/Cofins, majorados em meados de 2017, com o argumento de serem necessários para compensar as dificuldades fiscais do governo, são o grande empecilho para manter o valor do frete em níveis satisfatórios”, completa o comunicado.

 

Últimas notícias