Coronavírus: “Peço que continuem em casa”, diz Witzel

O governador anunciou que lançará um mutirão comunitário, com a entrega de cestas básicas para um milhão de famílias

Tomaz Silva/Agência Brasil

atualizado 25/03/2020 13:34

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, fez um apelo durante coletiva de imprensa, nesta quarta-feira (25/03), para que a população continue em isolamento a fim de evitar o avanço da pandemia de coronavírus no país. “Peço às pessoas que continuem em casa”.

Witzel anunciou que lançará um mutirão comunitário, com a entrega de cestas básicas para um milhão de famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico) para ajudar os mais vulneráveis durante este período de crise.

“Na primeira fase, atenderemos as famílias da Baixada Fluminense, mas todo o estado será contemplado”, disse. “A fome não espera e nós vamos vencer essa guerra juntos”, completou.

“Sei que muitas empresas têm condições de ajudar as pessoas que mais precisam, e peço a união de todos para vencermos as duas crises que se abateram no país: na Saúde, com a pandemia, e na Economia, que infelizmente trouxe o barril do petróleo para os mesmos patamares de 2016”, alegou.

Pronunciamento
O governador comentou sobre o pronunciamento feito pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), na noite dessa terça-feira (24/03), em rede nacional. Primeiramente, Witzel agradeceu o auxílio da imprensa, diferente do chefe do Executivo brasileiro, que acusou a mídia de gerar pânico e alarde na população.

O pronunciamento, na visão do governador, não encontra eco nas opiniões técnicas. “Como magistrado que fui, pauto minha vida na opinião de especialistas. Não tomamos decisões de forma irrazoável — é o que se espera de governantes”, disse.

Quando questionado sobre o desentendimento entre o governador de São Paulo, João Doria, e Bolsonaro, durante videoconferência nesta quarta-feira, Witzel reiterou que cada um responde pelos próprios atos.

“Tudo aquilo que fazemos será julgado pelas instâncias adequadas. Em relação a mim, como sempre defendi o diálogo, fui tratado com respeito. Isso não significa que eu concorde com tudo que ele diz, mas não estou aqui para fazer debate político, estou aqui para governar e espero o mesmo do presidente”, finalizou.

Últimas notícias