Carvoaria clandestina é flagrada derrubando Cerrado em Goiás

Carvoaria encontrada pela PCGO, além de funcionar sem licença ambiental, também estava em um loteamento irregular

atualizado 04/03/2021 17:24

goias carvoaria ilegal alexaniaDivulgação/Polícia Civil de Goiás

Goiânia – Por desmatamento de vegetação típica do Cerrado e funcionamento sem a devida licença ambiental, uma carvoaria ilegal foi autuada pela Polícia Civil de Goiás (PCGO), no município de Alexânia, no Entorno do DF. O estabelecimento também estava localizado em um loteamento irregular às margens do lago Corumbá IV.

A Operação Marajá, realizada pela Delegacia Estadual de Repressão a Crimes contra o Meio Ambiente (Dema) em parceria com a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), foi deflagrada entre os dias 24 de fevereiro e 1º de março de 2021.

Os agentes verificaram, fiscalizaram e autuaram os estabelecimentos por irregularidades e delitos ambientais. A vegetação típica do Cerrado estava sendo utilizada para fazer carvão. 

De acordo com a Polícia Civil, a operação foi realizada nos municípios de Alexânia, Abadiânia e Silvânia, com o objetivo de combater os loteamentos irregulares às margens do lago e outros delitos.

Durante a fiscalização, agentes encontraram diversos loteamentos irregulares. Segundo a corporação, os responsáveis responderão administrativa e criminalmente com a lavratura do procedimento penal cabível, que depois deve ser encaminhado para a Justiça local.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, a ação integrada dos órgãos de defesa do meio ambiente é de suma importância para a proteção do patrimônio.

0

Até o momento, foram lavrados 9 autos de pesca, 3 de carvoaria com embargo e apreensão, 2 de desmatamento, 1 de descumprimento da realização do cadastro estadual de barragens, 1 de porte de motoserra sem registro, 1 por posse de 66 pedaços de aroeira sem comprovação de origem e o último por posse de 86 tábuas e 3 pranchas de angico (espécie protegida por lei).

Desmatamento

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), entre agosto de 2019 e julho de 2020, a destruição e desmatamento do Cerrado foi de aproximadamente 7,3 mil km², um aumento de 12,3% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O bioma, que é o segundo maior do Brasil, segue a tendência de desmatamento da Floresta Amazônica.

Dos 11 estados que abrigam o Cerrado, além do Distrito Federal, o Maranhão foi o que mais desmatou entre meados de 2019 e meados de 2020, com 1,8 mil km² (quase 25% do total). Tocantins (21%), Bahia (12,5%), Mato Grosso (10%) e Goiás (10%) vêm na sequência.

Últimas notícias