Brumadinho: identificação de fragmentos de corpos começa a ser feita

Com isso, número de mortos na tragédia pode aumentar. Defesa Civil informou que 155 pessoas continuam desaparecidas

atualizado 15/02/2019 16:54

Bárbara Ferreira/Especial para o Metrópoles

De Belo Horizonte – O porta-voz do Corpo de Bombeiros, tenente Pedro Aihara, informou que o número de mortos com o rompimento da Barragem I da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), deve aumentar. Isso por que a Polícia Civil vai começar a usar fragmentos de corpos para identificar as vítimas. Ao todo, 155 pessoas continuam desaparecidas.

De acordo com Aihara, a corporação recuperou 302 corpos completos e incompletos desde o início das buscas. Deles, 299 são fragmentos humanos. Até então, somente aqueles que estavam inteiros são contabilizados e somam 166 já identificados.

A Polícia Civil coletou 295 amostras de familiares para exames de DNA. Dos 166 identificados, 164 foram retirados pelos parentes no Instituto Médico Legal. Desses, 150 foram reconhecidos por digital, 13 por análise de arcadas dentárias e dois por comparação de tatuagens, radiografias ou sinais particulares.

Nesta sexta-feira (15/2), foi liberado o primeiro caso por DNA. Outros 20, também analisados pelo material genético, estão em processamento.

Últimas notícias