Bolsonaro sobre Covid-19: “Entre eu e a vacina tem uma tal de Anvisa”

Presidente passeou pelas ruas de Brasília neste sábado. Ele também reclamou da cláusula de responsabilidade dos fabricantes do imunizante

atualizado 26/12/2020 20:16

Bolsonaro_Setor de Oficinas do SudoesteMarcelo Montanini/Metrópoles

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) passou, neste sábado (26/12), por diversos setores de Brasília e voltou a comentar sobre a compra de vacinas contra a Covid-19 pelo governo brasileiro e o início da imunização. “Entre eu e a vacina tem uma tal de Anvisa, que eu respeito e alguns não querem respeitar”, disse.

Ao ser questionado se o fato de outros países começarem a vacinar as respectivas populações não o pressionaria, Bolsonaro disse que não dava bola para isso. “Ninguém me pressiona pra nada, eu não dou bola pra isso. É razão, razoabilidade, é responsabilidade com o povo, você não pode aplicar qualquer coisa no povo”, afirmou.

O chefe do Executivo também reclamou, mais uma vez, da cláusula de responsabilidade dos laboratórios fabricantes do imunizante contra o novo coronavírus.

“Tudo o que vi até agora de vacinas que poderão ser disponíveis tem uma cláusula que diz o seguinte: eles não se responsabilizam por qualquer efeito colateral”, disse Bolsonaro, numa rápida parada no Setor de Oficinas do Sudoeste.

0

Diversos países – como Reino Unido, Estados Unidos, México, Costa Rica e Chile – já iniciaram a campanha de vacinação contra a Covid-19. O governo brasileiro lançou neste mês o plano nacional de imunização, mas não definiu data de início.

Essa não foi a primeira vez que o presidente reclamou da cláusula. Bolsonaro já pediu ao relator da Medida Provisória nº 1003/20, o deputado Geninho Zuliani (DEM-SP), a inclusão do termo de consentimento para que a população tome a vacina contra a Covid-19 de caráter emergencial. A MP foi aprovada no último dia 18 na Câmara dos Deputados, sem o documento.

Bolsonaro saiu do Palácio da Alvorada por volta das 10h45 e fez um passeio por Brasília. Ele passou em uma padaria, onde tomou café, e em uma lotérica, onde fez uma aposta, no Cruzeiro. No Setor Militar Urbano (SMU), parou próximo a uma quadra esportiva para tirar fotos com admiradores.

O presidente passou numa papelaria, no Setor de Indústrias Gráficas, e parou no Setor de Oficinas do Sudoeste. No retorno ao Alvorada, por volta das 12h10, ele conversou rapidamente com apoiadores alocados na área interna das dependências da residência oficial.

Últimas notícias