Bolsonaro faz reunião para analisar proposta de reforma dos militares

O texto foi preparado pelo Ministério da Defesa e integrantes das Forças Armadas, analisado pela equipe econômica e por Mourão

FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDOFÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO

atualizado 20/03/2019 9:51

A proposta de reforma da Previdência dos militares será tema de reunião desta quarta-feira (20/3), no Palácio da Alvorada, a partir das 10h. O presidente Jair Bolsonaro (PSL) deve analisar o texto, acompanhado do vice-presidente, Hamilton Mourão, dos comandantes do Exército, da Aeronáutica e da Marinha, além do ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva. Integrantes da equipe econômica também são esperados.

O texto foi preparado pelo Ministério da Defesa e por integrantes dos comandos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, analisado pela equipe econômica e avaliado por Mourão. A expectativa é que a proposta seja encaminhada ao Congresso Nacional nesta quarta-feira, iniciando a tramitação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Nessa terça-feira (19/3), Mourão disse que caberá a Bolsonaro definir sobre o envio do texto ao Congresso Nacional. No Legislativo, a matéria deverá tramitar paralelamente à proposta de emenda à Constituição que altera as regras para a aposentadoria da população civil. Essa tem sido a exigência de parlamentares para garantir que todos os setores da sociedade estejam incluídos na reforma.

Reestruturação
Para Mourão, a reestruturação na carreira militar, que será incluída na proposta de reforma da Previdência da categoria, vai ser vantajosa. Segundo ele, as alterações são positivas e incluem aumentar de 30 para 35 anos a permanência. “[Será preciso] mudar o tempo que você vai ficar em cada posto e graduação. Está sendo estudado, vai ser apresentado ao presidente.”

Na terça (19/3), o vice-presidente afirmou que o governo espera economizar em torno de R$ 13 bilhões nos próximos 10 anos com a reforma das aposentadorias e pensões dos militares. A estimativa, explicou, já inclui a reestruturação das carreiras militares, o que abrangerá medidas como aumento de gratificações.

Relatório
O presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, deputado Felipe Francischini (PSL-PR), deve designar até quinta-feira (21/3) o relator da proposta de reforma da Previdência na comissão. Segundo ele, o relator será um deputado experiente e com trânsito na oposição, capaz de elaborar um texto de consenso.

Francischini disse que o relatório da reforma deve ser entregue até a próxima quarta-feira (27/3). Segundo ele, a intenção é votar o texto em 4 de abril.

Últimas notícias